|Teatro Extremo

25 anos de Teatro Extremo celebrados com espectáculos

O próximo dia 27 de Setembro será comemorado com uma mostra da companhia sob o nome «Aiué», que visa demonstrar a sua ligação tanto às comunidades lusófona e local.

Mythos, obra de inspiração clownesca e de criação original, com direcção artística de Joseph Collard
Mythos, obra de inspiração clownesca e de criação original, com direcção artística de Joseph CollardCréditosVítor Cid / teatroextremo.com

A peça será apresentada na próxima sexta-feira, pelas 22h, na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, lê-se em comunicado da companhia.

«Aiué», palavra crioula que pode significar «deveras?», «ora», «enfim» ou «é impossível» dá nome à peça que se inspira em A Viagem de Sophia de Mello Breyner Andresen, autora que o Teatro Extremo pretende homenagear, a par de Mia Couto e Francisco Buarque de Holanda. A obra conta ainda com sonoridade de José Mário Branco, tendo direcção artística de Bibi Gomes, Fernando Jorge Lopes e Rui Cerveira.

A companhia propõe-se a exibir uma «obra multidisciplinar [que] sublinha a ligação do Teatro Extremo ao universo lusófono e à comunicada local», e que teve como inspiração diversos contos e lendas de língua portuguesa, de Portugal, Brasil e África, explica-se na nota enviada à imprensa.

Uma breve história do Teatro consta da sua página da internet, na qual se conta que a criação do Teatro Extremo remonta a 1994, em Almada, (tendo-se constituído como associação cultural em 1996), momento desde o qual foram realizadas obras de produção própria ou em co-produção, com investimento na «dramaturgia contemporânea e na itinerância».

O objectivo da companhia é, segundo os próprios, a criação de espectáculos «para as novas gerações que equacionem a problemática dos limites da condição humana», tendo já concretizado exibições «a mais de meio milhão de espectadores em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Bélgica, Itália, Inglaterra, Brasil, Cabo Verde e Índia».

Desde 1996, o Teatro Extremo organiza a «Sementes – Mostra Internacional de Artes para o Pequeno Público», festival para a infância, juventude e público familiar.

Em 2002 a companhia recebeu a Medalha de Prata de Mérito Cultural da Cidade de Almada.

Desde 2015, o Teatro Extremo garante o funcionamento e a programação do equipamento municipal almadense, o Teatro-Estúdio António Assunção.

No mês de Outubro, a companhia apresenta, nesse mesmo espaço, três espectáculos. «Mythos», que segundo os criadores, é uma «conferência sobre a mitologia», que estará em exibição nos dias 4 e 11 de Outubro, pelas 21h30, e nos dias 5 e 12 de Outubro, pelas 16h.

Posteriormente, nos dias 18 e 18 de Outubro, a companhia apresenta a obra «Einstein», que quer dar a conhecer a arte, a ciência e a história do génio; e no dia 15 de Outubro estará em cena «Armstrong» para celebrar os 50 anos da chegada do homem à lua.

Com agência Lusa

Tópico