|despedimento colectivo

Trabalhadores protestam contra despedimento colectivo na Camo

Lembrando que existem alternativas de apoio às empresas, nomeadamente governamentais, os trabalhadores não aceitam o recurso ao despedimento.

A administração da Camo-Indústria de Autocarros comunicou à comissão sindical a sua intenção de avançar com um processo de restruturação da empresa, que passará pelo despedimento de 24 trabalhadores.

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Norte (SITE Norte/CGTP-IN) refere que o motivo invocado pela administração para justificar a decisão é o facto de a empresa estar, neste momento, com uma significativa redução do número de encomendas.

Compreendendo que a crise gerada pelo surto epidémico de Covid-19 «sai do controlo da empresa», os trabalhadores não aceitam o recurso ao despedimento colectivo, lembrando que existem alternativas de apoio às empresas, nomeadamente governamentais.

O SITE Norte vai realizar, amanhã, uma concentração de dirigentes, delegados e activistas sindicais à porta da empresa, em Vila Nova de Gaia.

Tópico