|falta de pessoal

Trabalhadores dos hospitais de Lisboa Norte em greve

Dezenas de trabalhadores do Centro Hospitalar de Lisboa Norte juntaram-se esta quarta-feira junto à entrada do Hospital de Santa Maria, contra a falta de pessoal e pelo descongelamento das carreiras.

O Centro Hospitalar de Lisboa Norte engloba os hospitais de Santa Maria e o Pulido ValenteCréditosAntónio Cotrim / Agência Lusa

No protesto em frente ao hospital, os trabalhadores empunhavam faixas e cartazes onde se lia «somos poucos trabalhadores para tantas dores», «tempo de serviço não é para roubar, é para contar», «falta de pessoal faz mal à saúde» e «se a tarefa é especial, a carreira não é geral».

Representados pela Federação dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS/CGTP-IN), os trabalhadores realizam hoje um dia de greve contra «a falta crónica de trabalhadores existente no Serviço Nacional de Saúde», além que o tempo de serviço dos funcionários com contratos individuais de trabalho seja reconhecido.

De acordo com João Dias, da Federação, são entre 1000 a 1500 os trabalhadores nesta situação, que realizam diversas funções, como assistentes operacionais, técnicos de diagnóstico, terapeutas e administrativos.

Sobre a falta de pessoal, o dirigente sindical João Dias frisou que «a falta de pessoal já se arrasta há décadas, não é de agora, não é por os trabalhadores passarem para 35 horas que há falta de pessoal».

Por outro lado, sobre a exigência da contagem de tempo para os trabalhadores com contrato individual, João Dias afirmou que «é uma vergonha o que querem fazer aos trabalhadores. Temos aqui trabalhadores com 15 e 20 anos de serviço e, se não contarem com este tempo de serviço, os trabalhadores começam da estaca zero», sublinhou.

O dirigente salientou também que foi pedida uma reunião ao conselho de administração do Centro Hospitalar para abordar estas questões, mas até agora não foi obtida uma resposta.


Com agência Lusa

Tópico