|despedimento colectivo

Trabalhadores da Jado Iberia contestam encerramento «injustificado»

Os trabalhadores da Jado Ibéria, em Nogueira, no concelho de Braga, rejeitam o encerramento da empresa e estiveram concentrados esta sexta-feira à porta da empresa, em defesa dos postos de trabalho.

Trabalhadores estiveram concentrados à porta da empresa
Trabalhadores estiveram concentrados à porta da empresaCréditos / SITE NORTE

O protesto de anteontem foi avançado pelos trabalhadores, em plenário, após lhes ter sido comunicado a intenção da administração de encerrar a empresa, relata o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Norte (Site-Norte/CGTP-IN).

Para além da acção de protesto, os trabalhadores decidiram também «não baixar os braços e lutar pela manutenção dos postos de trabalho», tendo já pedido uma reunião ao Ministério da Economia, para denunciar o que consideram ser um encerramento «injustificado» por haver trabalho na fábrica.

«Com todo um secretismo, a administração informou os trabalhadores de um dia para o outro desta intenção, sem que algo o fizesse prever. Os trabalhadores não compreendem esta decisão, para mais numa empresa com viabilidade, lucros e que ainda há pouco tempo investiu em maquinaria, melhoramento de algumas secções e contratação de novos trabalhadores», lê-se.

O Site-Norte afirma que o encerramento afecta cerca de 70 trabalhadores, além de consistir na perda de uma empresa quase centenária e de referência na fabricação de equipamentos sanitários, mas também com uma importância significativa no tecido produtivo da região.

Por outro lado, o SITE Norte reitera que a actual situação «demonstra bem o comportamento abusivo das multinacionais, que se usam do País e dos nossos trabalhadores, “levantando arraiais” sem prestar contas da sua saída, deixando para trás os destroços e as tragédias para o País e os portugueses».

Tópico