|indústria automóvel

Trabalhadores da Auto-Sueco Portugal em greve

Os trabalhadores da Auto-Sueco, representante da marca Volvo no País, iniciaram esta quarta-feira um conjunto de greves parciais até sábado para exigir o aumento dos salários sem discriminação.

Concentração de trabalhadores realizada na sexta-feira à porta da empresa
Concentração de trabalhadores realizada na sexta-feira à porta da empresaCréditos / SITE NORTE

De acordo com o pré-aviso de greve, entregue pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Norte (Site Norte/CGTP-IN), até o próximo sábado estão marcadas várias paralisações entre os vários turnos do dia e da noite.

A primeira paralisação teve lugar esta tarde, entre as 12h e 17h, tendo sido realizada também uma concentração de protesto por parte dos trabalhadores de Vila Nova de Gaia junto às instalações da empresa naquela cidade.

No dia de amanhã, a greve na Auto Sueco abrange o turno da manhã, entre as 8h e às 12h30, sendo que na sexta-feira abrange dois turnos: o primeiro das 12h às 17h e o seguinte da noite que começa à mesma hora até às 21h. No sábado, último dia, a paralisação começa às 9h e só termina às 18h30.

Os trabalhadores da Auto-Sueco Portugal exigem aumentos salariais para todos em 2019, visto que a grande maioria está «há mais de uma década» com o mesmo valor, tendo apenas ocorrido alguns acertos para «uma minoria» escolhida pela empresa.

Em comunicado, o Site Norte realça que a «política de congelamento salarial não é aceitável numa empresa, que se assume como uma referência no sector» e que tem elevados lucros. Nesse sentido, reitera ser necessário efectivamente valorizar quem produz a riqueza com aumentos directos, em vez de «supostos aumentos por mérito que ninguém compreende ou tem conhecimento dos objectivos a atingir».

Recorde-se que os trabalhadores da Auto-Sueco cumpriram no início de Março uma greve de três dias, que registou uma adesão próxima dos 100% nas oficinas. Apesar disso, o sindicato sublinha que a administração da empresa manteve-se intransigente para alterar a situação.

Tópico