|Repressão patronal

Trabalhadores ao serviço da Soflusa ameaçados com despedimentos

Sindicato denuncia que a empresa Strong People chantageou cinco «apanha cabos», ao serviço da Soflusa no terminal do Terreiro do Paço, para assinarem novos contratos, caso contrário seriam substituídos.

Os trabalhadores da Transtejo e da Soflusa irão realizar uma greve parcial nos dias 26 e 27 de Abril
Os trabalhadores tinham vínculos precários, apesar de ocuparem funções permanentes na SoflusaCréditos / Digital OJE

A denúncia da chantagem patronal e ameaça de despedimento foi feita pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans/CGTP-IN), numa nota emitida no final da sexta-feira passada.

«Em meados desta semana, representantes da Strong People apresentaram-se no terminal a exigir que os trabalhadores em funções de "apanha-cabos" assinassem um novo contrato, com a ameaça de que se não assinassem seriam substituídos, ameaça que estão a concretizar hoje [anteontem]», lê-se.

A Fectrans afirma que os trabalhadores pressionados mantiveram-se no local de trabalho, tendo até decorrido uma «intervenção da Polícia Marítima, de apoio à substituição dos trabalhadores».

Por sua vez, a estrutura sindical frisa que foi pedida a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), mas esta respondeu «não ter pessoas nem capacidade para intervir».

A Fectrans explica que o serviço de «apanha-cabos» no terminal do Terreiro do Paço, em Lisboa, foi entregue pela Soflusa à empresa Nova Serviços, que colocou os cinco trabalhadores. Porém, o contrato «findou (ou foi abandonado) no passado dia 31 de Janeiro.

Segundo a estrutura, «não houve qualquer informação aos trabalhadores em causa», motivo pelo qual continuaram «a desempenhar as mesmas tarefas para a Soflusa, o que é demonstrativo que estão a ocupar um posto de trabalho permanente».

Tópico