|salários de miséria

Science4you: milhões de investimento não chegam para aumentos salariais

A reestruturação na Science4you (com a aquisição, por cerca de 11 milhões de euros, da maior parte das acções pela ATENA) em nada alterou o empreendedor modelo de negócios: salários de miséria para todos.

Miguel Pina Martins, dono da Science4you, durante a visita de Passos Coelho à empresa
CréditosJOAO RELVAS / LUSA

Errar todos erram, mas quando, ano após ano, a administração da Science4you é responsável por sucessivos ataques grosseiros aos direitos laborais dos seus funcionários não pode ser defeito: é feitio (ou, no jargão neo-liberal empreendedor que a empresa assume, é modelo de negócio).

É neste prisma que devemos olhar para algumas das reivindicações dos trabalhadores da Science4you: «mais iluminação no armazém» e a «reposição do funcionamento dos aparelhos de captação de ar e cheiros nas casas de banho». Nada disto é defeito. Faz, sim, parte de uma estratégia concertada de agressão contra os trabalhadores.

No mesmo estilo, em reunião com o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN), a Science4you afirmou não ter capacidade de aumentar salários, por tê-lo feito «por ocasião do aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN)», e também devido à «conjuntura actual» da empresa.

Como todos sabem, o aumento do SMN não resulta de aumentos feitos pela empresa, pelo que é por demais evidente que a Science4you não quer abdicar dos valores salariais miseráveis que paga aos trabalhadores. Uma situação ainda mais grosseira tendo em conta que a Science4you vive uma reestruturação da direcção que envolveu um investimento de cerca de 11 milhões, recentemente.

No próximo dia 5 de Junho, das 16h às 17h, o CESP está a organizar um plenário de trabalhadores no MARL, em Loures, onde vai ser defendida a actualização do subsídio de alimentação para 4,27 euros por dia; o fim da imposição do pagamento dos subsídios de férias e natal em duodécimos; o fim da obrigatoriedade do pagamento de portagens para aceder ao MARL; um suplemento de 50€ para todos os operadores de máquinas e a rectificação dos dias de nojo, com base no parecer da Autoridade para as Condições no Trabalho.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui