|1.º de Maio

Primeiro de Maio é dia de homenagem e luta pela conquista de direitos

«Avançar nos direitos, valorizar os trabalhadores» é o lema das iniciativas que a CGTP-IN promove por todo o País, assinalando os 133 anos dos massacres de Chicago que deram origem ao 1.º de Maio. 

Milhares de trabalhadores participaram esta tarde na concentração nacional da CGTP-IN contra a proposta governamental de revisão do Código do Trabalho, que decorre do acordo alcançado com os patrões e a UGT na concertação social, e que, segundo os trabalhadores, «legitima e agrava a precariedade». Largo da Assembleia da República, Lisboa, 11 de Abril de 2019
Para a CGTP-IN, o 1.º de Maio é também uma homenagem aos resistentes anti-fascistasCréditosAntónio Cotrim / Agência LUSA

Durante o dia de hoje estão previstas concentrações, convívios e iniciativas culturais, desportivas e lúdicas em várias localidades do continente e das regiões autónomas. 

Em Lisboa, as comemorações do Dia Internacional do Trabalhador arrancam durante a manhã na já tradicional Corrida Internacional, com partida e chegada no Estádio 1.º de Maio.

Às 15h, haverá desfile entre a Praça do Martim Moniz e a Alameda D. Afonso Henriques, onde terá lugar um comício com a participação do secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos. 

No mesmo horário, a Avenida dos Aliados, no Porto, recebe um comício e uma manifestação, e em Guimarães, no distrito de Braga, realizam-se intervenções sindicais e uma manifestação no Largo do Toural. 

Na cidade de Évora, além de um passeio de bicicleta, o programa das comemorações integra uma exposição alusiva ao 40.º aniversário da União dos Sindicatos de Évora (CGTP-IN). 

Em Faro, no Algarve, a manhã é dedicada às crianças, seguindo-se um piquenique e, às 16h, uma manifestação.

Em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel (Açores), as comemorações do 1.º de Maio realizam-se no Parque Florestal Pinhal da Paz com iniciativas desportivas e culturais, intervenção sindical e sardinhada. 

No Funchal, o Jardim Municipal recebe pela manhã um arraial madeirense. A partir das 16h30, haverá uma concentração junto à Assembleia Legislativa da Madeira. 

Homenagear os que lutaram pela liberdade

No dia 1 de Maio de 1886, uma jornada de luta pela redução do horário de trabalho para as oito horas foi violentamente reprimida pelas autoridades dos EUA, que assassinaram dezenas de trabalhadores e condenaram à
forca quatro dirigentes sindicais.

A CGTP-IN realça num comunicado que a data homenageia também as mulheres e homens que, durante a ditadura fascista de Salazar, lutaram pela liberdade e por melhores condições de vida e de trabalho, por emprego com direitos, salários e horários dignos.

Hoje, como já 133 anos, os trabalhadores não abdicam da luta pela redução dos horários, por melhores condições de trabalho e pelo emprego com direitos, a fim de acabar com a precariedade. 

Tópico