|Misericórdias

Greve nas misericórdias por aumentos salariais

Os trabalhadores das misericórdias vão estar em greve dia 15 de Outubro, considerando «inadmissíveis» situações como a de ajudantes de lar «com 25 e mais anos de antiguidade» a receber o salário mínimo.

Concentração de trabalhadoras realizada a 14 de Março de 2019
Concentração de trabalhadoras realizada a 14 de Março de 2019Créditos / Sindicato da Hotelaria do Centro

Para reivindicar a valorização das carreiras profissionais e dos salários, os trabalhadores das misericórdias irão fazer greve no dia 15 de Outubro e concentrar-se em protesto, às 11h30, junto à sede da União das Misericórdias Portuguesas, em Lisboa.

«Não é admissível que ajudantes de lar com 25 e mais anos de antiguidade nas instituições recebam apenas o Salário Mínimo Nacional», exemplifica o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços (CESP/CGTP-IN) num comunicado aos trabalhadores.

O CESP lembra que os trabalhadores das misericórdias foram obrigados pelo Governo e pelas instituições a trabalhar de dez a 24 horas seguidas, sete ou 14 dias consecutivos, e que, até ao momento, nenhum recebeu o trabalho suplementar devido.

«Num ano e num momento em que tanto se fala dos trabalhadores essenciais, dos trabalhadores da "linha-da-frente", é necessário que haja a coragem para valoriza­r as carreiras profissionais de quem, num momento particularmente difícil não abandona utentes, trabalha no limite das suas forças e capacidade­s, dando o melhor de si para cuidar dos que mais necessitam», pode ler-se na nota.

Tópico