|Galp Energia

Greve na Petrogal retomada com elevada adesão

Os trabalhadores da Petrogal retomaram esta quarta-feira o segundo período de greve, contra a «ofensiva patronal» que pede a caducidade da contratação colectiva.

Conflito dos trabalhadores das refinarias com a administração mantém-se, tendo a última greve decorrido em Dezembro passado
Refinaria da Petrogal, em Leça de Palmeira, no concelho de MatosinhosCréditos / JM

O segundo período de greve na Petrogal (Galp Energia), que detém as refinarias de Sines e Leça de Pameira, foi retomado hoje às 6h em ambos os complexos, bem como nas instalações em Lisboa, dando continuidade aos protestos realizados na semana prévia ao Natal.

A paralisação foi convocada pelo Sindicato da Indústria e Comércio Petrolífero (SICOP) e pela Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal/CGTP-IN).

José Martins, dirigente sindical afecto à Fiequimetal, afirmou ao AbrilAbril que a adesão à greve ronda os 80% nas instalações em Matosinhos, havendo casos onde esta sobe até aos 100%, nomeadamente nas secções dos camiões de cisterna e das descargas dos navios petroleiros. Em Sines, a adesão encontra-se nos 70%, havendo também serviços com paragens totais.

Os trabalhadores denunciam ainda que, apesar de a Petrogal/Galp obter lucros elevados, como 602 milhões de euros em 2017, o grupo insiste em dificuldades económicas para fundamentar o pedido de caducidade, o que é considerado como um ataque ao acordo de empresa e aos seus direitos.

Nesse sentido, a greve tem como objectivo exigir que a administração pare a ofensiva contra a contratação colectiva e os direitos sociais, a melhoria dos salários e maior distribuição da riqueza produzida, bem como contra a eliminação de direitos específicos dos trabalhadores de turnos.

Outras reivindicações passam pelo fim da desregulação e do aumento dos horários, incluindo o famigerado «banco de horas», que põe trabalhadores a «trabalhar mais por menos salário», e a defesa dos regimes de reformas, de saúde e outros benefícios sociais.

A greve na Petrogal irá continuar até às 6h do dia 13 de Janeiro, no caso das instalações no Porto, sendo que em Sines está previsto o fim para a meia-noite do dia 14. Em Lisboa, a greve é das 14 às 18h, até esta sexta-feira.

Tópico