|despedimento colectivo

Greve na Eurest em defesa do emprego

Os trabalhadores da Eurest estão em greve esta quinta-feira, tendo realizado uma concentração de protesto, junto à sede da empresa, contra o despedimento de 122 funcionários.

Créditos / União de Sindicatos de Setúbal

Em nota divulgada pela União de Sindicatos de Setúbal (USS/CGTP-IN), a estrutura sindical classifica este despedimento colectivo como um verdadeiro «despedimento lucrativo», uma vez que a Eurest contratou recentemente trabalhadores através de empresas de trabalho temporário para «reduzir as condições de trabalho» e a «intensificar a exploração».

O facto de a empresa ter recorrido ao lay-off e, passado dois meses, liquidar 122 postos de trabalho, significa que beneficiou de todos os apoios «pagos pelos contribuintes» e agora avança para o despedimento.

«Agrava ainda mais o facto de estarmos a falar de uma multinacional do grupo inglês Compass, que todos os anos tem um volume de negócios superior a 100 milhões de euros», pode ler-se na nota.

Os trabalhadores afectados pelo despedimento e que prestam serviço no terminal fluvial do Barreiro (Soflusa) estiveram entre os participantes desta greve e do protesto promovido junto à sede da empresa, na Amadora.

Tópico