|horário de trabalho

Centenas de trabalhadores do grupo Kyaia em protesto

Em Guimarães, os trabalhadores do grupo Kyaia saíram à rua contra o aumento do horário de trabalho, para além de terem decidido terminar o turno à hora habitual.

Créditos / Feset

Foi ao fim do dia de hoje, no largo do Toural, em Guimarães, fazendo frente ao frio, que centenas de trabalhadores do Grupo Kyaia, de Guimarães e Paredes de Coura, se manifestaram contra a decisão da empresa de impor um novo horário de trabalho, aumentando-o em 20 minutos por dia. 

Em comunicado do Sindicato do Calçado do Minho (CGTP-IN) pode ler-se que o grupo Fortunato O. Frederico & C.ª, composto pelas empresas Kyaia Kello, Kellokia e Alfos, «decidiu numa clara violação do Contrato Colectivo de Trabalho e da Lei Laboral, aumentar o horário de trabalho diário em 20 minutos, uma hora e quarenta minutos por semana, com a inclusão de duas pausas de dez minutos, uma de manhã e outra à tarde, aos cerca de 350 trabalhadores/as».

A decisão, em vigor a partir de 7 de Outubro, levou os trabalhadores, organizados por este sindicato e pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal (Fesete/CGTP-IN), a recusarem o horário de trabalho, mantendo-se nos seus postos de trabalho, quando a empresa desliga as máquinas no período de pausa que decidiu impor e saindo às 17h, como sempre fizeram. 

Os trabalhadores decidiram neste protesto prosseguir a luta, com acções previstas já para 22 de Novembro em Paredes de Coura. 

Tópico