|vínculos laborais

Acção solidária leva à integração de 24 trabalhadores na Super Bock

O diferendo entre os trabalhadores e as empresas Super Bock, A. Gaiteiro, Servigaia e Conductor terminou com a obtenção de um acordo, em sede de prevenção de conflitos, na DGERT do Porto.

Créditos / CGTP-IN

O acordo, alcançado no passado dia 3 de Janeiro na Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) do Porto, garante a integração de 24 trabalhadores no quadro de efectivos da Super Bock.

Estes trabalhadores (todos com mais de um ano de casa e alguns a prestar serviço à Super Bock há vários anos) até aqui tinham vínculos precários porque estavam subcontratados pela empresa A. Gaiteiro e recentemente haviam visto o seu posto de trabalho ocupado por outros, informa o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB/CGTP-IN) em nota divulgada.

O processo de integração decorrerá em duas fases, sendo que oito trabalhadores serão contratados no imediato e os restantes 16 durante o primeiro trimestre de 2021. Estes ficarão, até lá, vinculados à Conductor, empresa que assume a prestação do serviço a partir de agora, em condições equiparadas às praticadas pela empresa anterior, garantindo assim a manutenção do nível remuneratório e dos direitos anteriormente negociados.

Os trabalhadores assumem que foi um processo «particularmente duro», para cuja resolução contribuiu «de forma decisiva» a posição assumida pelos trabalhadores da Super Bock, em «acção solidária», na defesa dos postos de trabalho dos seus colegas.

«Esta é mais uma vitória dos trabalhadores no sentido do reforço da defesa dos seus direitos e da sua contratação colectiva, demonstrando mais uma vez que a solidariedade e sentido de classe não depende da cor das fardas de trabalho nem de presunções de estatuto social», pode ler-se na nota.

Tópico