|direitos das mulheres

Mulheres: «com a nossa força e determinação, recusamos voltar atrás!»

Milhares de pessoas participaram na manifestação nacional «Mulheres de Abril somos! Com igualdade temos futuro!», convocada pelo Movimento Democrático de Mulheres (MDM). Mulheres exigem que igualdade na lei se concretize na vida.

Milhares de pessoas participaram hoje, 23 de Março de 2024, na manifestação nacional «Mulheres de Abril somos! Com igualdade temos futuro!», convocada pelo Movimento Democrático de Mulheres (MDM): «com a nossa força e determinação, recusamos voltar atrás!». <br /><br /> 
Créditos / Agência Lusa

Rejeitando, quando se assinalam os 50 anos do 25 de Abril, tanto recuos como retrocessos, o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) continua a erguer uma bandeira de reivindicações, como justiça e inclusão social, desenvolvimento, trabalho, igualdade e paz. Exigências que saíram hoje, 23 de Março, à rua, no âmbito da manifestação nacional convocada pelo MDM, acção de luta que encerra as comemorações deste ano do Dia Internacional da Mulher. 

Com o mote «Vamos celebrar Março e comemorar Abril», milhares de activistas partiram às 15h do Rossio, em Lisboa, seguindo depois para o Largo do Carmo, espaço emblemático da Revolução dos Cravos, onde actuaram Celina da Piedade, o movimento Baque Mulher Lisboa e Mondeguinas, a tuna feminina da Universidade de Coimbra. A manifestação acabou com a entoação da Grândola, Vila Morena.

O MDM sublinha que a nova correlação de forças saída das eleições de 10 de Março apresenta novos desafios, obrigando a uma maior participação das mulheres em defesa dos direitos conquistados com a Revolução de Abril, que foi também uma revolução na vida das mulheres.

«Não perder direitos ou voltar atrás» é a premissa do movimento que, embora reconhecendo o muito que se avançou nos direitos das mulheres em termos legais, critica o facto de a igualdade tardar na vida e no trabalho, e os retrocessos criados por políticas que, alegando a igualdade, a impedem na prática.

Em Portugal e no mundo, as mulheres são as mais impactadas pelas desigualdades. Apresentam um risco maior de pobreza relativamente aos homens, engrossando igualmente o número de vítimas da precariedade, que constitui a principal causa do desemprego. Um estudo da Comissão para a Igualdade entre Homens e Mulheres da CGTP-IN, divulgado no início deste mês, revelava que a precariedade laboral é mais elevada entre as mulheres de todos os grupos etários, assumindo maiores proporções entre as mais jovens. Com salários mais baixos, o estudo concluía que as mulheres não recuperaram ainda o poder de compra perdido desde 2022.

A desregulação dos horários de trabalho é outro flagelo na vida das mulheres. Mais de 737 mil trabalham ao sábado, cerca de 484 mil ao domingo, perto 409 mil ao serão, 320 mil por turnos e 157 mil à noite, dificultando assim a conciliação da vida familiar e pessoal com o trabalho.  

O MDM defende o fim de todo o tipo de violências contra as mulheres e reclama direitos como saúde, habitação, transportes e uma rede pública de creches. 

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui