|eleições autárquicas

Capital muda de cor política

A Câmara de Lisboa passou para o PSD, que ganhou outras capitais de distrito. A CDU manteve as suas duas capitais de distrito e o PS, apesar das perdas, ficou à frente em 149 autarquias.

CréditosRosa Pinto / TVEuropa

Carlos Moedas, da coligação de direita liderada pelo PSD, venceu as eleições deste domingo para a Câmara Municipal de Lisboa, que foi governada pelo PS ao longo dos últimos 14 anos. 

Segundo os resultados oficiais divulgados pelo Ministério da Administração Interna, a coligação Novos Tempos Lisboa (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) conseguiu sete vereadores, com 34,25% dos votos (83 121 votos); a coligação Mais Lisboa, de Fernando Medina, obteve sete vereadores, com 33,3% (80 822 votos); a CDU (PCP/PEV) dois, com 10,52% (25 528 votos); e o BE conseguiu um mandato, com 6,21% (15 063).

Com 149 câmaras, o PS continua a ser o partido com maior representatividade autárquica, embora tenha perdido câmaras e número de votos (cerca de 250 mil).

Apesar de o PSD aumentar o número de câmaras (são agora 114, 42 em coligações), somando vitórias como as de Lisboa, Coimbra e Funchal, regista-se também uma descida da votação (partido sozinho), acontecendo o inverso nas coligações com o CDS-PP (que manteve as seis câmaras) e com o MPT e o PPM. 

A votação na CDU, que passou de 24 para 19 autarquias, registou uma subida em Lisboa (+ cerca de 1400 votos) e no Porto (+ 800), assegurando a a presença de dois e de um vereador, respectivamente, nas duas cidades. 

No Porto, onde Rui Moreira, com o apoio do CDS-PP e da IL, venceu as eleições sem maioria absoluta, aconteceu a estreia do primeiro vereador do BE a Norte, com 6,25% dos votos.

As listas de grupos cidadãos eleitores conseguiram a vitória em 20 autarquias. Enquanto isso, o PAN registou uma subida de votação, mas insuficiente para eleger mandatos, e o CH, embora elegendo vereadores,  ficou longe dos objectivos fixados. 

A abstenção registada nas autárquicas deste domingo foi de 46,3%. 

Tópico