São Marcos da Serra: da falta de transportes à desertificação

Desde Dezembro de 2011 que os comboios da CP deixaram de parar em São Marcos da Serra, uma freguesia envelhecida do concelho de Silves, no interior serrano algarvio. A população exige ao Governo a reactivação da linha de ferro.

A população considera que a falta de transportes contribui para o despovoamento da freguesia
A população considera que a falta de transportes contribui para o despovoamento da freguesiaCréditos

Passaram já cinco anos desde que o último comboio da CP parou em São Marcos da Serra, para embarque e desembarque de passageiros. A situação condiciona o dia-a-dia da população desta freguesia, que além de envelhecida se encontra distante dos grandes centros urbanos.

A estas condicionantes junta-se a falta de transporte próprio e uma oferta de autocarros que é, segundo os utentes, «manifestamente insuficiente». À excepção do período escolar, em que existe um autocarro a chegar às 17h40, São Marcos da Serra dispõe apenas de dois autocarros com saída às 7h20 e às 14h00, e dois autocarros com chegada às 14h00 e às 19h40.

A população desta freguesia exige ao Governo a reactivação da sua estação de caminho-de-ferro, com a paragem de pelo menos dois comboios por dia, em cada sentido, para embarque/desembarque de passageiros. Argumenta que a falta de transportes públicos contribui para o despovoamento da freguesia, ao mesmo tempo que limita o crescimento da actividade económica e a criação de emprego.

Com o hospital mais próximo a 50 quilómetros de São Marcos da Serra, os habitantes denunciam ainda a dificuldade de acesso a cuidados de saúde, bem como a outros serviços públicos.