|ferrovia

Linha do Oeste: luta dos utentes «valeu a pena»

A Comissão para a Defesa da Linha do Oeste afirma que a reposição de horários e ligações directas entre Caldas da Rainha e Coimbra, a partir do dia 4 de Novembro, resulta da luta dos utentes. 

 O plano de modernização da Linha do Oeste foi anunciado em 2016
O plano de modernização da Linha do Oeste foi anunciado em 2016Créditos / Gazeta das Caldas

De acordo com informação transmitida à Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste numa reunião com a CP, no passado dia 12 de Outubro, a partir de 4 de Novembro a serão repostos os horários e as ligações directas das Caldas da Rainha a Coimbra, alterados em 5 de Agosto, sendo reforçado o número de composições a circular.

Num comunicado, a comissão sublinha que a luta travada pelos utentes «valeu a pena». De entre as diversas acções realizadas, «todas elas importantes para impedir a degradação da qualidade do serviço público ferroviário na Linha do Oeste», a estrutura recorda a petição entregue na Assembleia da República, com mais de 6400 assinaturas, que aguarda discussão em plenário, e a manifestação realizada no dia 26 de Julho, junto ao Ministério do Planeamento e Infraestruturas.

«Foi em resultado destas acções de luta, em particular da última, que o Governo e a CP se comprometeram com soluções para ultrapassar os graves problemas da falta de material circulante que, desde Janeiro de 2017, está a provocar supressões, atrasos e horários ofensivos dos interesses dos utentes», lê-se no documento.

O movimento defende, contudo, que o reforço do material circulante, com a vinda das duas automotoras (UTD), «não é suficiente», salientando que situações de avaria, acidente ou necessidade de revisão levarão a novas supressões.

Entretanto, insiste que é preciso continuar a lutar pela renovação do material e pela electrificação da totalidade do percurso entre Meleças (Sintra) e o Louriçal (Pombal), criticando ao mesmo tempo a «inoperacionalidade da grande maioria» das estações e apeadeiros da Linha do Oeste – «encerradas permanentemente ou grande parte do período do dia, instalações degradadas, sem pessoal ou guarnição insuficiente».

Tópico