|comboios

Utentes da Linha do Oeste dizem «basta de atrasos»

A Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste (CPDLO) exige a intervenção do ministro das Infraestruturas junto da CP para que as novas composições já estejam a circular em 2023.

Utentes denunciam que situação na Linha do Oeste «fere os mais elementares direitos ao transporte colectivo»
Utentes denunciam que situação na Linha do Oeste «fere os mais elementares direitos ao transporte colectivo»Créditos / CC-BY-SA-2.0

Foi em Setembro de 2018 que o Conselho de Ministros autorizou a CP a comprar 22 novos comboios para o serviço regional. A chegada destas composições, de acordo com o concurso público, deveria ocorrer entre 2023 e 2026. Porém, quase três anos volvidos, a transportadora ainda não encomendou o novo material circulante e as novas composições só devem começar a chegar ao nosso país no final de 2024.

«Este atraso poderá pôr em causa a rentabilização do processo de modernização e de electrificação em curso, cuja conclusão está prevista para 2023, quando se sabe que a CP precisa das novas composições para garantir o transporte dos passageiros no troço entre Meleças e Caldas da Rainha», alerta a Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste, através de comunicado.

A estrutura afirma que as composições a diesel alugadas à Renfe «estão a envelhecer», o que leva a avarias cada vez mais frequentes, acarretando custos «elevadíssimos» para o erário público.

Por outro lado, o troço entre Caldas da Rainha e Louriçal estará por electrificar para além de 2023, pelo que as novas composições híbridas serão indispensáveis para garantir o serviço de passageiros ao longo de todo o percurso da Linha.

A CPDLO considera que o atraso na encomenda das novas composições «só serve os interesses privados» no transporte de passageiros e ameaça a qualidade o serviço público ferroviário. Como tal, vai exigir ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que intervenha junto da CP, para que o processo da aquisição das novas composições se concretize com a maior celeridade, para que em 2023 já estejam a circular na Linha do Oeste.

A Comissão lembra ainda que obstáculos como este «não são novos» e «só ajudaram os operadores privados» de transporte rodoviário colectivo, nomeadamente a tentativa de encerramento da Linha do Oeste, a degradação do serviço e ausência de modernização ao longo dos anos.

Tópico