|Seixal

População exige novo Centro de Saúde em Corroios

A Comissão de Utentes da Saúde do Concelho do Seixal reclama a abertura imediata de concurso para a construção do equipamento com «valores realistas» para que empreitada seja rapidamente aprovada. 

CréditosRui Fernandes / CUSCS

A luta pela construção do novo Centro de Saúde de Corroios é antiga e os utentes prometem radicalizar a luta.

Esta quarta-feira, a Comissão de Utentes da Saúde do Concelho do Seixal (CUSCS) realizou uma vigília junto ao actual Centro de Saúde de Corroios para exigir ao Governo a imediata abertura de concurso com «valores realistas», para que a respectiva empreitada seja rapidamente aprovada. 

Num comunicado enviado às redacções, a CUSCS recorda que o acordo de colaboração para a construção do novo Centro de Saúde de Corroios foi assinado a 9 de Maio de 2017, entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e a Câmara Municipal do Seixal, na presença do então Secretário de Estado. 

O certo é que, sublinham os utentes, ano e meio volvido, «nada se alterou» e as dificuldades continuam para os cerca de 36 mil utentes da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Corroios, «dos quais, cerca de metade sem médico de família», e para os profissionais que ali trabalham.

A autarquia já cumpriu a sua parte do acordo ao aprovar a empreitada referente aos arranjos nos espaços exteriores envolventes, no valor de cerca de 300 mil euros.

O travão está no valor definido pela tutela para a empreitada, que a CUSCS diz ser «completamente desajustado» da realidade. «São já dois os concursos que o Ministério da Saúde anula por ficarem desertos quanto a interessados e pelas mesmas razões», salienta. 

A par de uma «pretensa (ou suposta) teimosia do Ministério da Saúde, em insistir no valor do concurso», a CUSCS fala de uma «enorme indiferença e desrespeito por parte do Governo e da ARSLVT, seja com os utentes, seja com as autarquias e os eleitos locais, que têm feito chegar ao poder central dezenas de moções aprovadas na Assembleia Municipal e nas assembleias de freguesia».

Tópico