|Viseu

Utentes falam de situação «absolutamente insustentável» e põem a circular um abaixo-assinado

População de Penalva do Castelo exige direito à saúde

Os utentes acusam os responsáveis do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) de Dão-Lafões de não assumirem os compromissos, ao submeterem a população à falta de médicos e à redução do horário de atendimento. 

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/measurement-pixabay_1.jpg?itok=Y5dFwtZB
A saída de médicos do Centro de Saúde de Penalva do Castelo apanhou a população de surpresa
A saída de médicos do Centro de Saúde de Penalva do Castelo apanhou a população de surpresaCréditos / Pixabay

Em causa estão os compromissos que dirigentes e responsáveis do ACeS Dão-Lafões assumiram «repetidamente», nos últimos dez anos, segundo os quais nenhum médico seria autorizado a sair sem que estivesse garantida a sua substituição, e os horários das urgências não seriam alterados.

«Infelizmente», admitem os utentes, a palavra dada não foi honrada. Dois médicos saíram nos últimos dois meses do Centro de Saúde de Penalva do Castelo, sem que fossem substituídos. 

A situação apanhou a população de surpresa. Como se isto não bastasse, a esta saída juntam-se as férias de um terceiro clínico, a partir da próxima semana. Ou seja, em vez de cinco, haverá apenas dois médicos a assegurar todo o serviço. Entretanto, os utentes afirmam que já há receitas de medicamentos para doenças crónicas por passar.

A par da falta destes profissionais, a população rejeita a redução do horário de atendimento, bem como a extinção do Serviço de Atendimento Complementar. Tal como rejeita a postura da Câmara de Penalva do Castelo, que terá conhecimento desta situação apesar de ainda não ter tomado uma posição pública.

Os utentes exigem respeito e vão pôr a circular um abaixo-assinado para reivindicar celeridade na resolução deste problema.

Tópico

0 Comentários

no artigo "População de Penalva do Castelo exige direito à saúde