|capital

Lisboa, cidade aberta aos interesses privados e especulativos

A Câmara de Lisboa aprovou a instalação de um mega Continente na Garagem Liz, emblemático edifício Art Déco na Almirante Reis. Na Ajuda, em vez de habitação acessível, vai nascer um condomínio de luxo.

Créditos / CC-BY-SA-4.0

A instalação de um hipermercado Continente no histórico edifício situado no final da Avenida Almirante Reis, classificado como Imóvel de Interesse Público, foi aprovada na última reunião de Câmara, com votos a favor do PS, PSD e CDS-PP, e votos contra do BE e do PCP.

Em declarações ao AbrilAbril, a vereadora comunista na Câmara Municipal de Lisboa denuncia que o projecto, onde se refere que a «obra de alteração no interior do edifício não implicará qualquer modificação na estrutura de estabilidade», é omisso numa série de questões, desde logo no impacto que terá do ponto de vista do comércio local e de como se coaduna com a intenção de reduzir o tráfego automóvel e, consequentemente, as emissões de CO2. 

Apesar de se tratar de património classificado e de um dos mais singulares edifícios Art Déco da capital, o projecto apresentado «é completamente indiferenciado», observa Ana Jara. «Não se percebe, inclusivamente, como é que vão montar ali um supermercado», acrescenta. A também arquitecta frisa a ausência do relatório prévio, «peça fundamental» e através da qual seria possível perceber o estado do edifício.

Outra questão apontada prende-se com a mudança de uso. Ana Jara admite que a instalação de um estabelecimento comercial num edifício como este, construído em 1933 com a assinatura do arquitecto Hermínio Barros, «não é o mais adequado» tendo em conta também a sua localização e porque representa uma ameaça para o comércio local que, fruto da pandemia, está já bastante fragilizado. 

Neste sentido, a vereadora denuncia que a ausência de um estudo de impacto deste projecto revela similitudes com o quarteirão da Pastelaria Suíça, no Rossio, e defende que o uso a dar ao património, depois de devidamente restaurado, deveria estar focado num ponto de vista social.

«Como já ficou expresso a propósito da Portugália, a autarquia não tem ideia nenhuma de planeamento para a Avenida Almirante Reis», critica Jara. Num exercício de comparação entre a teoria e a prática levada a cabo pelo Município liderado por Fernando Medina (PS), afirma que, para que o «chavão eleitoral da cidade dos 15 minutos comece a acontecer é necessário planear os usos» do território.

Fala-se do problema, mas no terreno «assobia-se para o lado»

Noutro ponto da cidade, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou em Novembro passado a proposta de delimitação da Unidade de Execução da Ajuda, para o terreno da Rua da Bica do Marquês até à Alameda dos Pinheiros, com votos a favor de PS e PSD, a abstenção de CDS-PP e BE, e o voto contra do PCP. 

Numa freguesia caracterizada pela perda de população e onde o preço por metro quadrado mais do que duplicou nos últimos quatro anos (passou de 1700 para 4000 euros), a Unidade de Execução prevê a construção de 260 apartamentos de luxo, num condomínio com o seu próprio jardim privativo, a criação de um jardim público numa zona de difícil acesso para quem tem menos mobilidade e a demolição dos edifícios ao lado da Voz do Operário até ao fim do quarteirão, bem como do edifício da Academia Recreativa da Ajuda, e a construção de prédios ao longo da Bica do Marquês, com cinco pisos de altura. 

Créditos

Apesar deste ser um espaço particularmente sensível da freguesia, o projecto apresentado não contou com a opinião de moradores, comerciantes, colectividades, utentes de equipamentos, especialistas em ambiente ou património, concretizando maioritariamente os objectivos do fundo imobiliário internacional, então River Crown, proprietário de parte dos terrenos.

Ana Jara censura a curta duração da consulta pública para este projecto, alheio ao «grave problema habitacional» de Lisboa e num espaço tão crítico do ponto de vista patrimonial, ambiental e social.

«Fala-se do problema da habitação, mas no terreno assobia-se para o lado», constata, admitindo que cabe ao Município resolver e responder aos anseios das populações, nomeadamente de habitação a custos acessíveis e espaços verdes para todos.  

A construção do condomínio privado, inacessível para a maioria dos ajudenses, além de obrigar à demolição de instalações de associações, como a Academia e os Escoteiros de Portugal, e de casas de habitação, prevê o levantamento de uma barreira de betão na Bica do Marquês que transformará a vivência dos actuais moradores daquela zona. O vereador do Urbanismo não dá garantias quanto à permanência das instituições. E, apesar de a escola da Voz do Operário não parecer estar em risco, pelo menos o seu recreio sim, já que é no edifício dos escoteiros.

«É grave que uma Câmara Municipal aprove um projecto com este conteúdo», assinala Ana Jara, realçando que, mais do que condomínios de luxo, responsáveis por promover a continuada subida de preços da habitação, o Executivo do PS, que tem um acordo de governação com o BE, deveria empenhar-se em encontrar soluções, urbanísticas e sociais, para os problemas que a freguesia da Ajuda enfrenta.

Depois de o projecto ter sido aprovado na Câmara de Lisboa, o fundo de investimento britânico River Crown vendeu a sua participação de 99% no fundo imobiliário Maxirent, que engloba 17 activos em Portugal, a um fundo listado em Singapura, controlado pelo milionário francês que desde 2015 tem vindo a comprar edifícios emblemáticos (como a Torre Ocidente Colombo e a sede da NOS, ambas em Lisboa), salientando os ganhos obtidos através dos processos de planeamento urbanístico.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui