|crime ambiental

Atraso na remoção dos resíduos preocupa São Pedro da Cova

Face aos «sucessivos adiamentos» para a total remoção dos resíduos perigosos, a Junta de Freguesia de Fânzeres e São Pedro da Cova solicitou uma audiência ao ministro do Ambiente, Matos Fernandes. 

Créditos / JNP - U. Porto

Pedida com carácter de urgência, a reunião tem por objectivo esclarecer as afirmações proferidas no mês passado por Matos Fernandes, no Parlamento. Segundo o governante, a segunda fase de remoção dos resíduos perigosos, provenientes da Siderurgia Nacional, arranca durante este ano e ficará concluída no decorrer do próximo.

O ministro explicou ainda que a empreitada para a retirada das restantes 125 toneladas foi adjudicada e que será financiada na totalidade pelo Fundo Ambiental.

A Junta de Freguesia, que também solicitou uma audição à Comissão Coordenação Desenvolvimento Regional do Norte, recorda num comunicado que se mantém vigilante relativamente a este «grave problema ambiental», frisando que os habitantes de São Pedro da Cova, no concelho de Gondomar, nada têm a ver com este «atentado ambiental». 

Foi entre Outubro de 2014 e Maio de 2015 que se realizou a primeira fase de remoção dos resíduos depositados, entre 2001 e 2002, nas antigas minas de carvão de São Pedro da Cova. Em Abril de 2015, e após novo levantamento, foi concluída a existência de mais resíduos e a necessidade de avançar para uma segunda etapa.

Em Fevereiro de 2017, depois de seis ex-responsáveis de empresas que geriam os resíduos perigosos terem sido acusados pelo Ministério Público, a Junta de Freguesia pediu uma indemnização civil superior a dois milhões de euros.

Tópico