|Síria

Tropas norte-americanas continuam a desrespeitar a soberania da Síria

As forças dos EUA ilegalmente presentes no país levantino continuam a saquear os seus recursos, desrespeitando a sua soberania, promovendo a desestabilização e violando o direito internacional.

Créditos / Prensa Latina

As notícias de saques dos recursos naturais existentes no Nordeste da Síria são frequentes. A mais recente, divulgada pela agência Sana, dá conta de 31 camiões-cisterna, cheios de crude, que foram escoltados por viaturas blindadas dos militares norte-americanos para o Norte do Iraque, através da passagem fronteiriça ilegal de al-Walid.

Na região síria da al-Jazirah, rica em petróleo, gás e trigo, os EUA têm cerca de uma dezena de bases – na sua maioria localizadas na província de Hasakah – sem a autorização do governo de Damasco ou qualquer mandado das Nações Unidas.

Em Fevereiro deste ano, o Ministério sírio do Petróleo informou que as tropas norte-americanas, em colaboração com as chamadas Forças Democráticas Sírias (FDS), saquearam em média, ao longo de 2021, 70 mil barris de crude por dia das jazidas no Nordeste do país, o que representou, aproximadamente, 80% da produção de crude do país.

Então, a tutela estimou que o valor das perdas directas e indirectas infligidas ao sector desde o início da guerra de agressão contra o país árabe – promovida por potências ocidentais, Israel, Turquia, ditaduras do Golfo – rondasse os 100 mil milhões de dólares.

De acordo com as autoridades sírias, a crise dos hidrocarbonetos agravou-se com a intensificação da guerra económica contra o país, sendo que as forças de ocupação norte-americanas e as milícias mercenárias dominam 90% das zonas de produção petrolífera. A isto acresce o bloqueio e as sanções impostos pelos EUA e seus aliados.

Antes da guerra, em 2011, a Síria produzia cerca de 400 mil barris diários de crude, segundo dados divulgados pelo Ministério do Petróleo em Dezembro último. Actualmente, é obrigada a importar petróleo para satisfazer as necessidades domésticas.

O governo sírio tem denunciado repetidamente a presença ilegal das tropas norte-americanas, que classifica como uma ocupação, afirmando que as acções promovidas pelo Pentágono incentivam a actividade terrorista e desestabilizam o país árabe.

Tópico