|Grécia

Trabalhadores gregos não querem «voltar para a Idade Média»

Para a Frente Militante de Todos os Trabalhadores (PAME), a greve geral desta quinta-feira, convocada por vários sindicatos, foi a maior dos últimos anos e uma resposta clara à proposta de lei do governo.

A PAME classificou a greve geral desta quinta-feira como um «enorme êxito»; milhares de pessoas mobilizaram-se em várias cidades 
A PAME classificou a greve geral desta quinta-feira como um «enorme êxito»; milhares de pessoas mobilizaram-se em várias cidades Créditos / @PAMEhellas

No seu portal, a PAME classifica a greve geral deste 10 de Junho como um «enorme êxito» e informa que «paralisou» o país helénico «de uma ponta à outra», numa jornada também marcada por grandes manifestações em várias cidades gregas.

O transporte urbano não funcionou, revela a central sindical. Metro e comboios estiveram parados e os navios não saíram dos portos. Também houve grande impacto em sectores como Saúde, Educação, Comunicação Social e Indústria.

A greve geral, tal como as manifestações da semana passada e outros protestos, tem como alvo a proposta de lei do governo de Kyriakos Mitsotakis, que, apresentada em Maio, permite aumentar a jornada laboral até às dez horas diárias, transforma o domingo num dia laboral, ataca a negociação colectiva, restringe a actividade sindical e cerceia o direito à greve.

Um dos pontos mais criticados na proposta de reforma laboral é transformação da lnspecção do Trabalho num organismo independente, que vai a concurso público e deixa de depender do financiamento do Estado, o que, defendem os sindicatos, implicará a degradação de um organismo vital para a defesa dos direitos dos trabalhadores, informa o portal swissinfo.ch.

Milhares nas ruas

As manifestações promovidas pelos sindicatos em várias cidades da Grécia contaram com a participação de milhares de trabalhadores, centradas na defesa da jornada laboral de oito horas e na denúncia de uma proposta de lei que «pretende levar as condições laborais dos trabalhadores gregos de volta para a Idade Média».

Como exemplo da elevada participação dos trabalhadores em greve, a PAME refere que, em Atenas, quase duas horas depois do início da manifestação, ainda havia pessoas a chegar ao centro da cidade – e havendo mais três mobilizações convocadas na região da Ática (Pireu, Lavrio e Elefsina).

Em declarações à imprensa, o secretário-geral do Partido Comunista da Grécia (KKE), Dimitris Koutsoumbas, afirmou que, «independentemente do que este governo faça, a proposta de lei está condenada pela consciência da classe trabalhadora» e destacou que «a última palavra é dos trabalhadores, dos jovens e das mulheres, que a podem entender e mandar para o sítio onde pertence, o caixote do lixo. De modo que não tenham de viver uma vida de escravos no século XXI».

Uma nova jornada de luta foi convocada para o próximo dia 16 de Junho.

Tópico