|Brasil

Trabalhadores contra privatização dos serviços públicos no estado de São Paulo

Depois da greve unitária de dia 3, funcionários de várias empresas no estado paulista mobilizaram-se, esta segunda-feira, contra os planos de privatização da direita.

Acção na região central da capital paulista reforçou a luta contra a privatização de serviços públicos no estado de São Paulo 
Acção na região central da capital paulista reforçou a luta contra a privatização de serviços públicos no estado de São Paulo CréditosGabriela Moncau / Brasil de Fato

A manifestação, que percorreu a zona central da cidade de São Paulo, juntou trabalhadores do Metro, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), no âmbito da campanha contra a privatização – promovida pelo governador Tarcísio de Freitas – destes serviços.

Com faixas, bandeiras e carro de som, os manifestantes reuniram-se frente à Secretaria de Transportes e à sede administrativa do Metro e da CPTM, menos de uma semana depois da greve de 24 horas realizada pelos funcionários das três empresas.

Uma das reivindicações é a anulação do processo que visa concessionar os serviços de atendimento no Metro. Para esse efeito, na sexta-feira passada, o Sindicato dos Metroviários conseguiu obter uma decisão judicial provisória do Tribunal Regional do Trabalho que suspendia o edital de licitação.

No entanto, já nesta segunda, a empresa estatal conseguiu «um mandado de segurança que garante a realização do pregão», embora os seus efeitos só possam ser efectivados após o processo julgado, refere o Brasil de Fato.

«No Rio de Janeiro, privatizaram o serviço de águas, o pessoal estava tomando água que nem tratada era»

«A intenção do Metrô é muito nítida», critica o sindicato, em nota: «substituir empregados públicos concursados por trabalhadores contratados por uma empresa terceirizada.»

«A gente está aqui para fazer essa pressão. Não queremos que se terceirize o serviço do metrô e nós não queremos que se privatize nem metrô, nem CPTM, nem Sabesp», sublinhou a presidente do Sindicato dos Metroviários, Camila Lisboa.

No dia 3 de Outubro de 2023, trabalhadores da Sabesp, da CPTM e do Metro estiveram em greve contra as privatizações // Marcelo Cruz / Brasil de Fato

Já Valdenora Pereira, trabalhadora do Metro há 35 anos, destacou que o processo de privatização vai «na contramão das necessidades da população». «No Rio de Janeiro, [onde] privatizaram o serviço de águas, o pessoal estava tomando água que nem tratada era. Está tendo um retrocesso no Brasil», defendeu.

Privatização «vai ser danosa para toda a população»

Por seu lado, Abdon Sousa, trabalhador da Sabesp, referiu-se às actuais tarifas sociais da companhia, que ele acredita que vão deixar de existir. Em seu entender, a privatização «vai ser danosa para toda a população, principalmente a de baixa renda».

«A conta vai aumentar, essas tarifas vão desaparecer, vai comprometer o abastecimento, precarizar o serviço e haverá uma demissão [um despedimento] em massa dos trabalhadores da Sabesp que gozam de um conhecimento técnico muito importante», afirmou Abdon.

Ainda sem datas marcadas, estão a ser ponderadas novas greves contra as privatizações. Além disso, a campanha promove um plebiscito popular sobre a questão, que continuará a ser feito, com urnas itinerantes, nas estações até 5 de Novembro. Os trabalhadores exigem que o governo liderado por Tarcísio faça essa consulta formal à população.

«O governador não criou, até agora, um canal de diálogo com o trabalhador. Também não anunciou um plebiscito», comentou Marcelo Moreira, trabalhador da CPTM há 25 anos.

«Porque tem muita gente que votou no Tarcísio e é contra essa entrega dos serviços para empresas privadas. Essa greve foi importante porque levou o conhecimento do que está acontecendo para as pessoas, para a região metropolitana, as periferias», frisou.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui