|Cimeira das Américas

Rebelião no quintal das traseiras

O presidente norte-americano ouviu na Cimeira das Américas o que jamais os seus antecessores escutaram e o nutrido rol de descalabros da sua administração somou mais um, este bem gordo e sofrido em casa.

A IX Cimeira das Américas, realizada em Los Angeles, entre 6 e 10 de Junho de 2022, registou o menor número de Chefes de Estado desde a primeira edição da iniciativa, em 1994 e foi marcada pela contestação à política de exclusão e de sanções dos EUA. À mão direita do presidente Joe Biden esteve o seu incondicional aliado, o colombiano Ivan Duque. Menos de uma semana depois a Colômbia elegeu o primeiro presidente de esquerda da sua história
A IX Cimeira das Américas, realizada em Los Angeles, entre 6 e 10 de Junho de 2022, registou o menor número de Chefes de Estado desde a primeira edição da iniciativa, em 1994 e foi marcada pela contestação à política de exclusão e de sanções dos EUA. À mão direita do presidente Joe Biden esteve o seu incondicional aliado, o colombiano Ivan Duque. Menos de uma semana depois a Colômbia elegeu o primeiro presidente de esquerda da sua históriaCréditosEvan Vucci / AP Photo

O que aconteceu em Los Angeles na nona Cimeira das Américas tem a marca dos tempos. Nada correu como dantes: os resultados e a afluência de países e chefes de Estado foram os mais pobres desde que estas reuniões continentais se iniciaram em Miami, em 1994; sobretudo o tom de muitas intervenções e debates traduziu uma ruptura – apesar de tudo surpreendente – com o tradicional unanimismo podre das relações e dependências de tipo colonial.

Desta feita, o presidente norte-americano, no caso Joseph Biden, ouviu o que jamais os seus antecessores escutaram e o nutrido rol de descalabros da sua administração somou mais um, este bem gordo e sofrido em casa. A que sucede – a série continua – a vitória da esquerda na Colômbia, país que Washington considera estratégico para a sua dominação continental, sobretudo na componente militar.

Percebeu-se que qualquer coisa de muito diferente estava a acontecer ainda antes do início da cimeira, quando os serviços da administração Biden, seguindo o guião rotineiro com modorra burocrática, definiram a lista de participantes e a ordem de trabalhos. Cuba, Nicarágua e Venezuela foram excluídos dos convites, por serem «ditaduras»; e como ponto forte dos temas a discutir foi escolhido o das migrações continentais, o que era esperado porque habitualmente a agenda é definida em função dos assuntos que mais interessam aos Estados Unidos.

«Nada correu como dantes: os resultados e a afluência de países e chefes de Estado foram os mais pobres desde que estas reuniões continentais se iniciaram em Miami, em 1994; sobretudo o tom de muitas intervenções e debates traduziu uma ruptura – apesar de tudo surpreendente – com o tradicional unanimismo podre das relações e dependências de tipo colonial»

Então o inesperado aconteceu. Vários países de todas as regiões americanas – Norte, Centro, Sul e Caraíbas – fizeram saber que ou não estariam presentes ou não enviariam os seus chefes de Estado a Los Angeles por discordarem frontalmente das exclusões de nações impostas pelos anfitriões; e os países da América Central revelaram que não enviariam delegações por discordarem da agenda, essencialmente por considerem que o tema das migrações, fruto da miséria económica e social gerada pela praga colonial que os sangra há séculos, deve ser discutida bilateralmente com o actual responsável pela situação, os Estados Unidos.

Apanhado de surpresa com tão invulgar princípio de sedição no território que há muito é considerado «o quintal das traseiras» de Washington, o Departamento de Estado despachou um enxame de enviados ou entrou em contacto directo com os recalcitrantes distribuindo o habitual menu de ameaças e chantagens para que tudo voltasse à ordem natural e a cimeira decorresse como de costume, isto é sem ondas e com o coro do rebanho entoando o ámen final.

De ousadia em ousadia

Esta ofensiva também não proporcionou os resultados esperados, e que habitualmente são dados como garantidos, reforçando a ideia de que havia mesmo uma resistência nada usual ao diktat de Washington.

Dando sinais de alarme com um cenário tão inconveniente, sobretudo num período em que a seguir à debandada militar do Afeganistão os acontecimentos induzidos na Ucrânia não correm como estava previsto, e logo a poucos meses de eleições parciais para o Congresso que são de importância transcendente para o Partido Democrático e a Casa Branca, o regime norte-americano fez uma mobilização geral. O presidente disponibilizou-se para assistir a todas as sessões da cimeira, tal como a vice-presidente Kamala Harris e o governador da Califórnia, além de presenças pontuais da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

Nada demoveu os chefes de Estado que já tinham decidido não se deslocar a Los Angeles, entre eles o presidente mexicano Lopez Obrador, um peso pesado no continente. «Não vou à cimeira porque não foram convidados todos os países da América», explicou.

«Outra das características notáveis e absolutamente novas nesta edição da Cimeira das Américas foi o facto de a contestação da lista de convidados e da ordem de trabalhos ter partido tanto de países com enorme peso continental como de nações de menor dimensão, influência e peso geoestratégico»

Luis Arce, presidente da Bolívia, e Xiomara Castro, presidente das Honduras, fizeram declarações no mesmo sentido ao confirmarem as respectivas ausências.

Feitas as contas, compareceram 23 chefes de Estado, alguns deles numa situação que pode qualificar-se como «de protesto» – os da Argentina e do Chile, por exemplo - tendo em conta as declarações que proferiram durante os trabalhos.

As edições da Cimeira das Américas mais frequentadas foram as de 1994 em Miami e de 2019 em Lima, juntando 34 chefes de Estado. De notar que há três anos até Cuba esteve presente no Peru.

Desta feita registou-se a maior onda de boicotes à reunião. Além de Cuba, Nicarágua e Venezuela não terem sido convidados também o Uruguai, Guatemala e El Salvador não se fizeram representar. A ausência destes dois últimos países (o presidente uruguaio alegou Covid) representa um corajoso desafio frontal à administração Biden porque as suas histórias políticas, militares e sociais pelo menos nos últimos 70 anos têm estado totalmente dependentes de Washington através de episódios frequentes de golpes de Estado, mudanças de regime e repressão sangrenta, muitas vezes a cargo de esquadrões da morte financiados, treinados e operados pelos Estados Unidos.

Outra das características notáveis e absolutamente novas nesta edição da Cimeira das Américas foi o facto de a contestação da lista de convidados e da ordem de trabalhos ter partido tanto de países com enorme peso continental como de nações de menor dimensão, influência e peso geoestratégico como Belize e Antígua e Barbuda, que ousaram dizer na face de Biden, contra todos os «protocolos», aquilo que ele merecia ouvir.

John Brieño, primeiro-ministro de Belize, condenou o embargo a Cuba, um verdadeiro tabu que existe para ser obedecido e nada mais, e qualificou como «imperdoável que haja países das Américas que não estejam aqui presentes».

O primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, Gaston Browne, tomou posição idêntica lamentado que «os convites para esta nona cimeira não tenham sido extensivos a todos os chefes de Estado». Quanto ao embargo contra Cuba declarou que «se trata de uma barreira à paz e à amizade neste hemisfério».

Philip Davies e Mia Mattley, respectivamente das Bahamas e Barbados, fizeram intervenções no mesmo sentido. Nunca tal se ouvira num fórum continental a este nível, sobretudo partindo de países tão «pequenos». Na realidade, como ficou provado, o exercício de soberania não é uma questão de dimensão mas da vontade e coragem dos governos para colocarem os interesses dos seus cidadãos acima de interesses externos, quase sempre adversos. Uma lição para quem deseje ir ainda a tempo de aprender.

Nayib Bukele, o polémico presidente populista de El Salvador, foi dos que não se deslocou a Los Angeles por discordar do ponto da agenda sobre migrações; mas deixou no Twitter um recado para Biden em que condenou igualmente a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a maneira como tem funcionado: «Está claro que o Ministério das Colónias em Washington, também conhecido por OEA, já não tem qualquer razão de ser». Uma heresia. Simultaneamente Bukele ufanou-se de ter encontrado na Turquia um novo parceiro económico e comercial, uma vez que, depois de uma viagem a Ancara, o comércio entre os dois países aumentou 80% este ano.

«Momento disfuncional»

Os presidentes da Argentina e do Chile, respectivamente Alberto Fernandez e Gabriel Boric, decidiram deslocar-se a Los Angeles mas as intervenções que fizeram não pouparam Biden, a sua administração e o comportamento dos Estados Unidos no continente.

Já o brasileiro Jair Bolsonaro fez depender a sua presença da concessão de uma audiência privada com o presidente norte-americano, certamente para lhe pedir um apoio, que tem sido reticente, nas próximas eleições presidenciais. Os interesses pessoais sobrepuseram-se, mais uma vez, à afirmação dos interesses do Brasil no quadro continental.

Alberto Fernandez não foi brando nas palavras: «O silêncio dos ausentes interpela-nos». O presidente da Argentina fez votos para que «isto não volte a acontecer no futuro e que o país anfitrião não tenha a capacidade de impor o direito de admissão em relação aos países do continente».

Boric, o chefe de Estado chileno, declarou que «estamos aqui para dialogar, para ouvir e tenho a profunda convicção de que para isso funcionar a sério não poderá haver exclusões».

Lopez Obrador, o presidente mexicano, enviou a Los Angeles o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Marcelo Ebrard. «Não se pode criar uma nova agenda, não se pode pensar numa nova relação mantendo as velhas estruturas», disse em plenário. E rejeitou que os Estados Unidos continuem com poder de intervenção para dizer «tu sim, tu não».

«Estou convencido da necessidade de mudar a política que nos foi imposta há séculos, a política de exclusão, a ânsia de poder, o desrespeito pela soberania dos povos e a sua independência […] O que pode ser uma cimeira se nem todos os países foram convidados? É a mesma velha política de intervencionismo e de desrespeito pelos povos»

Lopez Obrador, presidente do México

O presidente mexicano, talvez o dirigente mais representativo no processo que está a abalar a «velha ordem» americana, divulgou uma importante declaração que coincidiu com o início dos trabalhos e traduz todo um espírito regional novo, por sinal perfeitamente inserido nas transformações que estão a decorrer à escala global e abalam o «mundo ocidental» e a ordem unipolar. «Estou convencido da necessidade de mudar a política que nos foi imposta há séculos, a política de exclusão, a ânsia de poder, o desrespeito pela soberania dos povos e a sua independência», disse o chefe de Estado mexicano. «O que pode ser uma cimeira se nem todos os países foram convidados? É a mesma velha política de intervencionismo e de desrespeito pelos povos».

Ao lado de Biden esteve, significativamente e quase isolado, o fiel escudeiro e agente golpista Iván Duque, o fascista que está prestes a terminar a sua comissão de serviço como presidente da Colômbia. «Debatamos as nossas diferenças em democracia mas estas cimeiras nunca serão terrenos férteis para ditadores», sentenciou. Um exemplo do velho discurso numa cimeira marcada por comportamentos novos e demonstrativo do isolamento a que Joseph Biden ficou submetido em Los Angeles encarando os seus «súbditos» em rebelião.

Entretanto a própria situação colombiana sofreu uma reviravolta de 180 graus. Além do fim do mandato de Duque, também as suas correntes fascizantes ditas «democráticas» foram eleitoralmente derrotadas pela esquerda.

E agora, Mr. Biden? Como vai ser a atitude da sua administração depois da eleição histórica de Gustavo Petro e Francia Marquez à frente da esquerda e dos grupos progressistas agregados no Bloco Histórico da Colômbia? Como fica a sua Colômbia, base golpista tutelada pela NATO e o Comando Sul dos Estados Unidos, a «pedra angular do Hemisfério Ocidental», usando a sua terminologia habitual? Pouco depois da Cimeira das Américas a revolta continua e as derrotas imperiais sucedem-se. Haverá golpe em Bogotá para «restaurar a democracia», como só na última década aconteceu no Brasil, no Paraguai, no Peru, nas Honduras, na Bolívia, sem contar as tentativas permanentes na Nicarágua e na Venezuela e ainda os episódios de «revoluções coloridas» em Cuba? O Pentágono exportará o que resta de Juan Guaidó para a Colômbia, sob novos aplausos da maioria dos países da União Europeia?

Um indício de como a renovada situação continental está a inquietar Washington é a cobertura da cimeira pela Voz da América, o canal oficial de propaganda do regime actuando sob controlo dos serviços de segurança. «Analistas» citados pela emissora testemunham que «o continente está num momento disfuncional, ideologizado e ressentido». O mesmo órgão de propaganda cita um «politólogo» mexicano, Leonardo Curzio, segundo o qual a administração Biden tornou mais visíveis as fracturas «de uma região incapaz de articular esforços hemisféricos». Talvez a «fractura» mais visível deixada pela cimeira, mas não enunciada por Curzio, seja a de grande parte do continente ter encontrado maneira de afirmar posições próprias em relação a Washington, uma realidade completamente nova. O «politólogo» mexicano identifica também «um encerramento dos países nas suas dinâmicas internas» – um artifício semântico para reconhecer, contrariado, o esforço de numerosos países americanos, do Norte ao Sul, para restaurarem as suas soberanias.

Mais de 200 organizações e movimentos sociais dos EUA e dos restantes países do continente americano participaram entre 8 e 10 de Junho de 2022 na Cimeira dos Povos, em Los Angeles, uma alternativa anti-imperialista à Cimeira das Américas, realizada na mesma cidade norte-americana CréditosBill Hackwel / Resumen Latinoamericano

Horizontes que se abrem

Soberania é uma das palavras-chave dos tempos que correm. Essa pode ser também a marca desta histórica e fracassada Cimeira das Américas.

As mudanças que estão a acontecer no mundo com maior clareza relacionam-se muito mais com assinaláveis convergências de interesses nacionais e soberanos do que com supostos alinhamentos «ideológicos» ou com o conceito propagandístico de enfrentamento entre as «democracias liberais» e as «autocracias». Esta é uma forma cobarde e negacionista de encarar as inevitáveis transformações à escala mundial que opõem sim o globalismo de intenções neoliberais, oligárquicas e totalitárias – o Great Reset, «grande reinício» do Fórum Económico Mundial – à tendência crescente para a cooperação entre Estados independentes e soberanos. No fundo a desesperada ordem unipolar frente-a-frente com um arranjo ou arranjos multipolares. O conflito de que, para sua surpresa e dos que lhe manipulam o teleponto, Joseph Biden foi vítima em Los Angeles.

«As mudanças que estão a acontecer no mundo com maior clareza relacionam-se muito mais com assinaláveis convergências de interesses nacionais e soberanos do que com supostos alinhamentos “ideológicos” ou com o conceito propagandístico de enfrentamento entre as “democracias liberais” e as “autocracias”»

O sucedido na Cimeira das Américas pode ser reflexo dos primeiros resultados de novas formas de cooperação intercontinental que se afirmam também na América Latina.

Cresce igualmente nesta região com um potencial pujante de desenvolvimento e progresso o número de nações que alargam horizontes para lá das relações de tipo colonial a que têm estado submetidas, moldando as suas sociedades na injustiça, desigualdades e com imensas bolsas de miséria. Esses novos modelos de cooperação privilegiam a soberania e as independências nacionais, são exercidos em termos igualitários com base em interesses complementares das economias dos países envolvidos e dos seus recursos naturais e manufacturados. Os acordos não são estabelecidos em troca de exigências políticas, em função de regimes políticos, mas de vantagens mútuas, o que no caso específico da América Latina pode significar, a termo, uma existência e uma governação que não estejam reféns de uma potência única e seus satélites sob ameaças de invasões militares, golpes de Estado, chantagens, mudanças de regime, «reformas estruturais», terrorismo e incentivos a guerras civis.

Trata-se de uma perspectiva de vida continental totalmente nova, só possível porque à escala internacional se afirmam tendências multipolares que minam os efeitos condicionadores e retrógrados do «excepcionalismo» ocidental, uma minoria de países que enriqueceram à custa do saque e da exploração do resto do mundo considerando-se «imprescindíveis» até para que o planeta continue a girar.

Quase todos os dias se tornam públicos, mas raramente noticiados, acordos de cooperação e desenvolvimento inovadores na América que envolvem países como a Rússia, a China, a Índia, nações africanas, asiáticas e até membros da NATO como a Turquia.

A China, por exemplo, desenvolve amplos e importantíssimos projectos de infraestruturas em El Salvador, Cuba, Panamá e na Nicarágua, onde a possível construção de um novo canal entre o Atlântico e o Pacífico, alternativo ao Canal do Panamá gerido pelos Estados Unidos, é matéria para provocar insónias em Washington; a Rússia tem estabelecido relações económicas e comerciais, inclusivamente de índole militar, com o Peru, Venezuela e Brasil, entre outros.

O grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é um embrião de convergência económica e comercial que pode vir a reforçar-se na próxima cimeira, na qual participará outra grande potência americana, a Argentina, além de serem possíveis presenças surpreendentes de mais países, também sob a chancela de «observadores».

Há realmente uma nova dinâmica internacional na qual as crescentes (e muito corajosas) afirmações de soberania e independência afrontam o monolitismo globalista e que também é espelhada, num estado mais avançado do que seria de prever, na maneira como decorreu a recente edição da Cimeira das Américas.

A rebelião no «quintal das traseiras» dos Estados Unidos, abrindo portas a saudáveis e rejuvenescidas manifestações de soberania e independência, contrasta com a submissão cada vez mais humilhante dos países da União Europeia aos interesses, vontades e ordens de Washington; uma abdicação de identidades e valores históricos, um sintoma de esclerose contra a corrente emergente de transformação internacional, conjuntura que não promete nada de bom para os governos e países que se arrastam, desprezando os seus povos, na decadência colonial e imperial.

José Goulão, Exclusivo AbrilAbril

Tópico