|Austrália

Para lidar com a China, Austrália reforça despesa militar e exercícios com EUA

Sem se referir às tensões persistentes com a China, o primeiro-ministro australiano anunciou melhoramentos substanciais em quatro bases no Norte e o alargamento dos exercícios militares com os EUA.

O anúncio de Scott Morrison ocorre poucos dias depois de o Secretário do Departamento de Assuntos Internos, Mike Pezzullo, ter afirmado que as democracias liberais têm de se preparar para a guerra 
O anúncio de Scott Morrison ocorre poucos dias depois de o Secretário do Departamento de Assuntos Internos, Mike Pezzullo, ter afirmado que as democracias liberais têm de se preparar para a guerra Créditos / PressTV

Scott Morrison, que evitou mencionar as disputas comerciais e diplomáticas crescentes com a China, afirmou que a Austrália precisa de expandir os seus recursos militares no Território do Norte para ser capaz de responder a tensões (não especificadas) na região da Ásia-Pacífico.

«O nosso objectivo é um Indo-Pacífico livre e aberto, para assegurar uma região de paz, uma região em que, ao mesmo tempo, a Austrália esteja sempre em condições de proteger os seus interesses», disse Morrison à imprensa esta quarta-feira, em Darwin, citado pela Reuters.

Na ocasião, o político conservador anunciou um orçamento de 580 milhões de dólares destinados a modernizar quatro bases militares no Território do Norte – entre 2021 e 2026 – e a expandir os exercícios militares conjuntos com as tropas norte-americanas.

A verba agora anunciada, refere a agência, faz parte de um plano de investimentos militares mais amplos do país austral, de acordo com o qual Canberra deve gastar 270 mil milhões de dólares na próxima década para melhorar a sua capacidade de ataque de longo alcance.

Alguns especialistas militares chegaram inclusive a sugerir que a Austrália ponderasse o desenvolvimento do potencial nuclear, refere a AFP. No entanto, os críticos de Morrison acusam-no de apostar no militarismo e de encenar uma crise para desviar as atenções da situação parada na vacinação contra a Covid-19 e da queda nas sondagens.

O ex-primeiro-ministro Kevin Rudd disse à AFP que Morrison, o ministro da Defesa, Peter Dutton, e Rupert Murdoch, magnata da imprensa de direita, «estavam a tentar desesperadamente virar a agenda política doméstica para longe do desastre das vacinas, do fiasco da mudança climática e dos escândalos de abusos em Canberra».

«Democracias liberais têm de se preparar para a guerra»

Já Morrison justificou a despesa com o facto de a região Ásia-Pacífico estar a viver o maior nível de incerteza económica e estratégica desde a Segunda Guerra Mundial. Daí, em seu entender, a necessidade de reforçar os exercícios militares com os Estados Unidos, que vê com bons olhos a política agressiva de Canberra.

«Os EUA e a Austrália têm estado profundamente envolvidos na cooperação defensiva há mais de meio século», disse o encarregado de negócios na Embaixada norte-americana em Canberra, Michael Goldman, que também não se referiu à China.

Mais de 2000 fuzileiros norte-americanos encontram-se no Norte da Austrália para participar em actividades militares conjuntas. Os dois aliados costumam realizar exercícios militares de dois em dois anos no país austral, habitualmente com uma participação superior a 30 mil tropas. O próximo deve começar em Agosto.

O anúncio de Scott Morrison ocorre poucos dias depois de o Secretário do Departamento de Assuntos Internos, Mike Pezzullo, ter afirmado que as democracias liberais têm de se preparar para a guerra.

Pezzullo não especificou a razão de ser para este alerta, mas, de acordo com a Reuters, as suas afirmações inserem-se no contexto da deterioração das relações com a China. No domingo, o ministro australiano da Defesa também se referiu à possibilidade de um conflito entre a China continental e Taiwan.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui