|País Basco

País Basco: trabalhadoras do apoio ao domicílio em luta contra a precariedade

As trabalhadoras que prestam cuidados de apoio domiciliário no Município de Zumaia decidiram mobilizar-se por um acordo que equipare as suas condições às das colegas noutras localidades e municípios bascos.

As trabalhadoras do serviço de apoio domiciliário de Zumaia mobilizam-se por um acordo que consagre melhores condições 
Créditos / ELA

O serviço de apoio domiciliário (SAD) em Zumaia (Guipúscoa) encontra-se privatizado e as 22 funcionárias (todas mulheres) que nele trabalham pertencem à empresa Eulen.

No seu portal, o sindicato ELA denuncia que estas trabalhadoras desempenham as suas funções «em condições bastante precárias e piores que as das localidades vizinhas e onde o serviço é garantido pelo próprio município».

Entre outros aspectos, o sindicato indica que as trabalhadoras não têm um calendário fixo; a maioria trabalha a tempo parcial; não têm horários estáveis, e os salários que auferem estão abaixo do consagrado no acordo.

Quando os utentes estão de férias (sejam dois ou 15 dias), a trabalhadora que presta o serviço de apoio domiciliário fica sem receber, acrescenta a organização sindical.

Por isso, uma das questões em que as trabalhadoras do SAD em Zumaia insistem é a da defesa do serviço público - algo que está em linha com aquilo que o executivo municipal (progressista) defende para diversos serviços da localidade: torná-los públicos.

O fim da concessão do SAD a privados estava prevista para 2024, mas, segundo denuncia o ELA, a Câmara Municipal anunciou que não vai ser tão cedo.

Entretanto, com o acordo caducado em 2023, as trabalhadoras, que prestam cuidados a pessoas idosas e dependentes, não viram nem a parte municipal nem a empresa avançar com qualquer proposta.

Neste sentido, o ELA critica que se pretenda «obter o maior lucro económico possível à custa das trabalhadoras e dos utentes a quem prestam os serviços».

Defende igualmente a necessidade de «sair de um modelo assente na lógica capitalista e da exploração das mulheres, para avançar para um modelo que coloque as vidas no centro».

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui