|Colômbia

Na Colômbia, os protestos não param e as denúncias de abusos também não

Na cidade de Cáli, a Associação Nacional dos Estudantes do Secundário reportou várias situações de abuso perpetradas pela Polícia contra os manifestantes mobilizados contra as políticas de Duque.

Sucedem-se as denúncias de abusos cometidos pelas forças policiais na Colômbia, sobretudo pelo Esquadrão Móvel Antidistúrbios (Esmad) 
Sucedem-se as denúncias de abusos cometidos pelas forças policiais na Colômbia, sobretudo pelo Esquadrão Móvel Antidistúrbios (Esmad) Créditos / Prensa Latina

Em comunicado, a associação estudantil referiu que, ontem à tarde, a Polícia efectuou disparos directamente contra vários jovens – alguns dos quais membros da associação – que realizavam uma acção de luta cultural no chamado Puerto Resistencia, em Cáli (departamento de Valle del Cauca).

Como dois dos jovens foram atingidos pelas balas – um na cabeça e outro numa perna –, alguns estudantes decidiram mudar-se para o Paso del Comercio, onde, refere o texto, a Polícia os recebeu com disparos de pistolas e espingardas.

Neste sentido, a associação estudantil pede ao Município de Cáli que garanta o direito ao protesto e à vida dos manifestantes, exige a retirada imediata das forças policiais e militares dos pontos referidos, bem como a abertura de investigações que permitam esclarecer os factos e condenar os responsáveis.

Denúncias de abusos também em Bogotá e Medellín

Heidy Sánchez, vereadora no Município de Bogotá, denunciou que o jornalista Diego Otavo, do órgão comunitário Noti Barrio Adentro, foi agredido presumivelmente por membros da Polícia colombiana quando cobria uma mobilização social, esta quarta-feira. No hospital, foi-lhe diagnosticado um trauma cranioencefálico leve, indica a Prensa Latina.

Também há registo de diversas denúncias contra a Polícia na cidade de Medellín, onde esta quarta-feira teve lugar uma grande manifestação contra o governo de Iván Duque. De acordo com a TeleSur e vários utilizadores da rede social Twitter, o Esquadrão Móvel Antidistúrbios (Esmad) atacou membros dos serviços de atendimento médico (APH), bem identificados, com bombas atordoantes e gás lacrimogéneo, e agrediu uma fotógrafa que cobria a manifestação.

As mobilizações contra as políticas neoliberais do governo de Iván Duque continuaram em vários pontos do país, apesar de, na segunda-feira, o Comité da Greve ter anunciado que ia interromper temporariamente estas iniciativas, que têm tido lugar no país sul-americano deste 28 de Abril último.

Numa conferência de imprensa, representantes do Comité justificaram a decisão com o facto de o governo de Duque não ter reconhecido o pré-acordo sobre garantias mínimas para o exercício do direito à manifestação e com a necessidade de proteger os manifestantes da violência.

No entanto, a decisão não foi bem acolhida por múltiplos sectores, que anunciaram que iam continuar a fazer greve e a protestar contra o governo «criminoso» de Duque nas ruas do país.

Também houve manifestações nas cidades de Pasto (Nariño) e Bucaramanga (Santander), onde foi denunciada a presença e a acção repressiva do Esmad em zonas residenciais.

De acordo com a informação divulgada esta terça-feira pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz (Indepaz), 70 pessoas foram assassinadas desde o início da greve na Colômbia, sendo que 46 homicídios terão sido perpetrados pelas forças policiais.

Tópico