|Cuba

«Jamais nos cansaremos de denunciar» o bloqueio a Cuba, afirma Maduro

Assinalando os 61 anos da oficialização do bloqueio norte-americano à Ilha – 7 de Fevereiro de 1962 –, o presidente venezuelano referiu-se a essa política como um «acto de crueldade».

Ilustração alusiva ao bloqueio norte-americano a Cuba 
Créditos / @MMarreroCruz

Na sua conta de Twitter, Nicolás Maduro, afirmou que «jamais nos cansaremos de denunciar perante o mundo» o bloqueio total imposto pelos Estados Unidos a Cuba, que foi oficializado há 61 anos.

O chefe de Estado referiu-se à política de cerco como um «acto de crueldade que viola os Direitos Humanos dos cubanos, que, com coragem, decidiram lutar e não se render face às imposições imperiais».

Embora o cerco tenha começado desde o triunfo da Revolução, em 1959, foi a 7 de Fevereiro de 1962 que o então presidente John F. Kennedy, mandatado pelo Congresso, declarou o bloqueio total à Ilha.

Antes, a 3 de Fevereiro, o chefe de Estado norte-americano assinou a ordem executiva 3447 que oficializou essa política, classificada pelo governo de Havana como o sistema de medidas coercivas unilaterais mais abrangente, complexo e prolongado alguma imposto a um país.

Também o primeiro-ministro de Cuba, Manuel Marrero, recordou no Twitter a declaração oficial do bloqueio contra o país caribenho, tendo reafirmado a necessidade do seu levantamento.

«São inumeráveis os danos provocados durante estos 61 anos», escreveu Marrero na rede social, acrescentando: «Não nos cansaremos de exigir o fim deste injusto cerco, que impede o desenvolvimento do nosso país e nos afecta a todos.»

As autoridades cubanas, que têm denunciado reiteradamente o bloqueio como o principal motivo que impede o desenvolvimento do país, classificam-no como um «acto de genocídio», tendo em conta o seu propósito declarado e a sua engrenagem política, legal e administrativa.

A preços correntes, as autoridades cubanas estimam que os danos acumulados ao longo de seis décadas de aplicação do bloqueio tenham um valor superior a 150 mil milhões de dólares, refere a Prensa Latina.

Com a chegada de Donald Trump à Casa Branca, em 2017, as medidas punitivas contra a Ilha intensificaram-se com a implementação de 240 novas sanções, a maior parte das quais se mantém intocada pela administração de Joe Biden.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui