|Peru

Filme peruano em quéchua ganha Astor Piazzolla de Ouro em Mar del Plata

Kinra, de Marco Panatonic, foi classificado como «obra-prima» e uma «autêntica descoberta» no Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, na Argentina, onde obteve o galardão máximo (Astor de Oro).

Num momento em que deputados peruanos da direita querem cortar os apoios a filmes nacionais, o filme «Kinra», gravado em quéchua, é reconhecido como uma obra-prima e uma descoberta 
Num momento em que deputados peruanos da direita querem cortar os apoios a filmes nacionais, o filme «Kinra», gravado em quéchua, é reconhecido como uma obra-prima e uma descoberta Créditos / servindi.org

A 38.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, que teve lugar de 2 a 12 de Novembro, enfrentou grandes dificuldades (financeiras) para se afirmar, mas, segundo nota o diário Página 12, os males da falta de apoios foram compensados por uma edição vibrante, com público efusivo e resistente, e por vários títulos de qualidade, em estreia mundial.

Na Competição Internacional, o júri atribuiu o prémio máximo a uma «autêntica descoberta»: o filme peruano Kinra, realizado por Marco Panatonic, «um relato de imigrações internas que junta o minimalismo narrativo a ambições de longo alcance» e que o periódico argentino destacou como «uma das longas-metragens mais potentes e criativas da selecção deste ano».

O júri justificou o prémio «pela forma como conta uma história forte através de uma encenação poderosa que nos permite observar a humanidade dos personagens».

Chapada de luva branca à direita peruana

A distinção dada à obra – gravada em quéchua, com apoio do Ministério peruano da Cultura (em 2017) – representa uma revés para os deputados de direita que no país andino promovem uma iniciativa para cortar o apoio estatal a filmes nacionais, alegando que não são galardoadas no estrangeiro, refere o portal servindi.org.

Em declarações à página do festival, Panatonic, natural de Cusco, destacou a inclusão no filme de pessoas falantes de quéchua, de Cusco e Chumbivilcas.

Já na cerimónia de recepção do prémio, o realizador peruano mostrou-se céptico quanto à possibilidade fazer cinema, tendo em conta as exigências económicas e o risco que existe no seu país de que sejam cortados os apoios aos projectos regionais, por iniciativa de alguns congressistas.

«Duvido se posso fazer cinema e vou continuar a duvidar, porque no Peru há um fascismo que quer destruir o cinema. É preciso continuar a lutar», disse, tendo em conta que, sem os apoios do Estado, o filme agora premiado e louvado provavelmente não existiria.

Situação no Peru não é esquecida

Ao receber o prémio, Panatonic referiu-se ainda à situação que se vive no Peru, tendo denunciado a atitude agressiva das autoridades, que costumam mandar reprimir as manifestações sociais contra o governo de Boluarte e o Congresso.

«No Peru, particularmente, há uma… não sei se é ditadura sequer, mas há um grupo de violentos que mataram mais de 80 pessoas; muitas das pessoas que podiam ser protagonistas morreram», disse.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui