|Síria

EUA transportam 60 membros do Daesh para base ilegal na Síria

As autoridades sírias denunciaram esta terça-feira a transferência de 60 terroristas, pelas forças de ocupação, para a base ilegal norte-americana de al-Tanf, junto à fronteira com o Iraque e a Jordânia.

A Síria acusa as tropas norte-americanas de mais uma «cooperação» com os terroristas do Daesh, desta vez envolvendo «ouro roubado»
A Síria acusa as tropas norte-americanas de apoiarem e treinarem os terroristas do Daesh Créditos / Sputnik News

De acordo com os dados divulgados pela agência SANA, dez terroristas detidos na prisão de Camp Bulgar, a leste da cidade de Shaddadi, e outros 50, presos na antiga Escola Industrial em Hasaka, foram transferidos, em viaturas blindadas e sob forte custódia, para a base que os EUA possuem em Shaddadi (Nordeste da Síria) e, depois, de helicóptero, para a base de al-Tanf, outra instalação militar ilegal norte-americana em território sírio.

A agência estatal refere várias fontes locais, sob anonimato, que identificaram os iraquianos Kadhim Hasan al-Jalqam, conhecido como Abu al-Bara, supervisor do fabrico de artefactos explosivos improvisados, e Shefan Jadou al-Hamad, especializado em blindar e minar carros.

Na base de al-Tanf, localizada a cerca de 220 quilómetros de Damasco, os militares norte-americanos apoiam e treinam elementos do Daesh, integram-nos noutros grupos, com várias designações, e promovem ataques, sobretudo na vasta região desértica de Al-Badiya, contra o Exército Árabe Sírio.

Disto são exemplo o atentado perpetrado na semana passada contra um autocarro na estrada entre Deir ez-Zor e Palmira, em que perderam a vida 30 elementos das forças governamentais, bem como o ataque, realizado há dois dias, contra camiões e autocarros na estrada entre Athria-Salamiyah, na província de Hama, que tirou a vida a pelo menos nove civis.

As denúncias reiteradas da Síria sobre o apoio e treino ocidentais a grupos terroristas, corroboradas pela Rússia e o Irão, têm ganho consistência com o testemunho de desertores como o sírio Mohammad Hussein Saud, que afirmou ter sido obrigado a integrar-se no Daesh, sob ameaça de morte, em 2015 na cidade de Palmira.

Preso pela secreta síria, Saud afirmou que os norte-americanos lhe pagavam 300 dólares por mês, falou sobre as operações realizadas, na vigilância a instalações russas e sírias, e na colaboração com os serviços secretos britânicos, também instalados na região de al-Tanf.

Outros desertores confirmaram esta versão, tendo revelado dados sobre o treino norte-americano, o pagamentode salários, a preparação de operações de sabotagem contra instalações governamentais, o Exército sírio e efectivos russos, que se têm intensificado nos últimos meses.

De acordo com Peter Ford, ex-embaixador britânico na Síria, também há agentes alemães a colaborar com os Estados Unidos e o Reino Unido na região, informa a Prensa Latina, acrescentando que nestas operações desempenha um papel importante de coordenação o Centro de Inteligência Terrestre, que faz parte do Comando Central Avançado estabelecido em Amã, a capital da Jordânia, pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN/NATO).

Tópico