|Uruguai

Aumentou a pobreza no Uruguai, com maior impacto nas crianças

A pobreza aumentou no país sul-americano no segundo semestre de 2021. Um estudo do Instituto Nacional de Estatísticas mostra que a incidência é maior entre as crianças e a população afrodescendente.

Olla popular em Santa Catalina (Maio de 2020) 
Olla popular em Santa Catalina (Maio de 2020) CréditosMariana Greif / ladiaria.com.uy

O relatório ontem publicado pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), correspondente ao segundo semestre de 2021, mostra um ligeiro crescimento da pobreza no Uruguai entre a primeira e a segunda metade do ano passado.

Entre os principais resultados do estudo, o INE destaca que, de cada mil lares, 76 encontram-se abaixo do limiar da pobreza (7,6%).

Esta incidência aumenta se for considerada a nível individual, já que, segundo o instituto, 11% dos uruguaios se encontram em situação de pobreza.

«O valor que assume a proporção de pessoas pobres para o segundo semestre de 2021 implica que, de cada 1000 pessoas, 110 não ultrapassam o rendimento mínimo para cobrir as necessidades básicas alimentares e não alimentares consideradas por esta metodologia», refere o organismo.

Mais pobreza entre os jovens e a população afrodescendente

Ao abordar a incidência da pobreza por grupos etários, o INE verifica que é maior entre as crianças e os adolescentes, e constata que houve um crescimento, no segundo semestre, em todos os grupos, excepto no dos maiores de 65 anos (-0,2%).

De acordo com o relatório, as crianças com menos de seis anos são a faixa etária mais atingida pela pobreza (21%), seguida da das crianças entre os seis e os 12 anos (20,3%), os adolescentes dos 13 aos 17 (18,9%) e a faixa entre os 18 e os 64 anos (9,5%).

Os autores do estudo verificaram ainda que «a população afrodescendente é a que continua a registar maiores níveis de pobreza».

«No segundo semestre de 2021, para o total do país, a incidência da pobreza para as pessoas que declaram ter ascendência afrodescendente é superior à estimativa para quem declara ter ascendência branca em quase 11 pontos percentuais», indica o INE.

No que diz respeito à incidência da pobreza por regiões, os dados revelam que a percentagem de pessoas em situação de pobreza em Montevideu é superior à média nacional, afectando 14,8% da população.

A Universidade da República (Udelar) estima que, em 2020, no contexto de crise associado à pandemia de Covid-19, cerca de 100 mil uruguaios se tenham juntado à população em situação de pobreza.

Um estudo publicado o ano passado pela Faculdade de Ciências Sociais da Udelar, intitulado Entramados comunitarios y solidarios para sostener la vida frente a la pandemia [Redes comunitárias e solidárias para manter a vida face à pandemia], revelou que, em 2020, houve dias em que 55 mil pessoas recorreram às chamadas ollas populares, formas de organização comunitária para ajudar a alimentar a população.

Tópico