|Cuba

Clássicos do cinema cubano num ciclo de homenagem à Revolução

O Instituto de Arte e Indústria Cinematográficas – ICAIC associou-se às comemorações do 60.º aniversário do triunfo da Revolução cubana, com uma mostra de «filmes icónicos do processo» revolucionário.

Imagem de 'Historias de la revolución' (1960), de Tomás Gutiérrez Alea
Imagem de 'Historias de la revolución' (1960), de Tomás Gutiérrez AleaCréditos / Cubarte

No âmbito do ciclo especial «Nuestro cine, cronista de la Revolución cubana», criado pelo ICAIC, serão exibidos no cinema Multicine Infanta, em Havana, e nas principais salas do país caribenho materiais cinematográficos que se centram na luta contra a ditadura de Batista, bem como na etapa imediatamente posterior ao triunfo da Revolução, em 1 de Janeiro de 1959.

O ciclo teve início no passado dia 26, com a projecção do documentário La guerra necesaria (1980), de Santiago Álvarez, e prossegue até dia 6 de Janeiro, com a apresentação de dez programas, em que se incluem sete longas-metragens de ficção, cinco documentários e dois docudramas, refere o portal cubano de arte Cubarte.

No programa das longas-metragens, há clássicos do cinema cubano como Historias de la revolución (1960), de Tomás Gutiérrez Alea; El joven rebelde (1961), de Julio García Espinosa; Manuela (1966), de Humberto Solás; Asalto al tren central (1967), de Alejandro Saderman, ou Clandestinos (1987), de Fernando Pérez.

No que se refere aos documentários, além do já referido La guerra necesaria (que abriu o ciclo), foram incluídos na mostra os títulos David (1967), de Enrique Pineda Barnet; El día que Santiago se vistió de verde (1980), de Luis Felipe Bernaza; Condenadme, no importa (1983), de Miguel Torres, e Secuestro en La Habana (1999), de Rebeca Chávez.

Tópico