|artes plásticas

Apoio insuficiente e Arte em ‘online’

Apoio insuficiente às artes. «Unearthing» e «Still(H)e(a)vem» em online, «Azul» na Biblioteca FCT da Caparica, «Dilemas Quotidianos» no Museu do Chiado e «O Palácio» no Centro Cultural Vila Flor.

Obra de Guilherme Parente. Exposição colectiva de de Isabel Sabino e Guilherme Parente na Biblioteca da FCT da Nova, no Campus de Caparica, em Almada, programada até 11 de Março
Obra de Guilherme Parente. Exposição colectiva de de Isabel Sabino e Guilherme Parente na Biblioteca da FCT da Nova, no Campus de Caparica, em Almada, programada até 11 de MarçoCréditos / Guilherme Parente

A situação de confinamento vai permanecer e os eventos culturais vão continuar temporariamente encerrados. Os projetos artísticos que continuamos a divulgar serão os que foram agendados como estando abertos na próxima quinzena e os que permitem aceder em digital, esperando que alguns possam reabrir ou serem reagendados para mais tarde.

Quanto ao reforço do apoio social, tão esperado pelos trabalhadores da cultura, o parlamento chumbou no dia 18 de fevereiro os projetos-lei apresentadas pelo, PCP, BE, PAN e deputada Cristina Rodrigues no sentido de implementar novas medidas para impedir um maior agravamento da situação destes trabalhadores no contexto do confinamento. Acerca deste assunto, a Associação de Artistas Visuais em Portugal afirmou ainda, num comunicado de imprensa, que o apoio único no valor de 438 euros é insuficiente e apenas contempla uma minoria dos trabalhadores da cultura, apelando também neste documento para «a transparência, nomeadamente no Programa de aquisição de arte contemporânea portuguesa do Estado».

Vídeo-Performance «Unearthing» de Rita GT, em 'online' no dia 8 de março, às 18h, no Youtube Créditos / A Aurora do Lima

A nova obra de Rita GT1, «Unearthing» será apresentada dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, às 18h, no YouTube, no quadro de um programa de escultura ao ar livre dedicado a mulheres artistas. «Unearthing» surgiu a partir de uma residência artística que Rita GT realizou no YSP (Yorkshire Sculpture Park), em 2018, é apoiado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo e pela Fundação Calouste Gulbenkian e concretizou-se numa vídeo-performance vocal e de movimento, que conta com a participação de intérpretes do grupo tradicional Cantadeiras do Vale do Neiva e das bailarinas Piny e Isa Santos, tendo como cenário o espaço da antiga Fábrica de Louça de Viana do Castelo, cidade onde a artista vive e trabalha atualmente.

Rita GT tem vindo a focar o seu trabalho artístico e a sua investigação sobre as histórias pós-coloniais de mulheres que tiveram de emigrar durante o período colonial, sobre o lugar das mulheres nas sociedades e a sua ligação à terra, particularmente através da argila e da cerâmica. O elemento coral da performance «evoca canções e cantos tradicionais que viajaram nas vozes das mulheres, e será cantado em português, sem legendagem, preservando a diversidade linguística e os provincianismos presentes nas letras e na interpretação», indica um texto sobre a performance.

No âmbito da iniciativa «Dentro de Casa #2», organizado pela Câmara Municipal de Setúbal, é apresentada uma exposição online de Sérgio Bráz D`Almeida, com o título «Still(H)e(a)vem», um projecto construído durante as residências artísticas em Góis, Lisboa, Setúbal, Montemor-o-Novo (oficinas do convento), Arraiolos (Córtex frontal) e La Gomera (casa Tagumerche). «Durante este trabalho, desenvolvido ao longo de dois anos, debrucei-me sobre um género que penso ter caído em desuso na arte contemporânea, mas que permanece enraizado na nossa memória», informou o artista.

«Still(H)e(a)vem» de Sérgio Bráz D`Almeida em 'online' na Casa da Cultura de Setúbal Créditos

«Azul» é o título de uma exposição de pintura e instalação de Isabel Sabino2 e Guilherme Parente3 na Biblioteca FCT da Nova, no Campus de Caparica em Almada, programada até 11 de Março e que agora pode ser vista online em Exposição «Azul»-Vídeo (bibliotecaunl.blogspot.com). «AZUL é o nome de uma cor [...] e o título da exposição que devia ter acontecido em maio passado e que reúne dois artistas: Isabel Sabino e Guilherme Parente. Dois azuis: o Azul dos céus míticos do Guilherme P, mediterrânico com a harmonia do lápis azul e o brilho do ouro e os azulões da Isabel oriundos das casas muito brancas e fundos oceânicos», assim nos dizem os pintores.

A Biblioteca tem mantido, durante todo o período de confinamento, várias atividades «virtuais»: seminários, workshops, apoio aos utilizadores, entre outras, que podem ser consultado no espaço digital «Cultura Online|Biblioteca FCT Nova». Deste projecto podemos destacar vídeos sobre exposições já realizadas na Biblioteca, assim como também propostas entretanto adiadas.

Como recentemente divulgado no AbrilAbril, podemos visitar um novo programa online «Dilemas Quotidianos» no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, até 1 de Abril. Durante o período de confinamento irá será implementado um programa variado, que «compreende a rubrica «Dilemas», em torno da exposição do Museu; «Histórias do Bairro», em que se destacam memórias do Chiado; um glossário de Arte e leituras de obras e ainda a rúbrica «O que esta obra me conta». Com o título «O Fungagá das Artes», são apresentados dois cursos de desenho gratuitos dirigidos a toda a família. Podem ser frequentados aqui, aos sábados, pelas 11h, é orientado por Nelson Ferreira e no domingo, também pelas 11h, é orientado por António Faria. Durante todas as sextas às 16horas e até 26 de Abril acontecerão, no mesmo link dos cursos, um ciclo de conversas em torno do retrato, integrado no programa da exposição «Dilema de Ser e Parecer».

Vista da exposição de André Príncipe (2018). Exposição coletiva «O Palácio» no Centro Cultural Vila Flor, até 6 de março de 2021 Créditos / Rua

O Palácio Vila Flor de estilo barroco foi mandado construir por Tadeu Luís António Lopes de Carvalho de Fonseca e Camões no século XVIII, em 1884 foi o espaço para a realização da I Exposição Industrial e Comercial de Guimarães, sendo adquirido pelo município de Guimarães em 1976, um local que albergou o Polo de Guimarães da Universidade do Minho, academia de música e oficina de teatro. Mais recentemente, em 2005, os seus espaços de jardim foram restaurados e receberam o Centro Cultural Vila Flor4 com dois auditórios, salas de conferências e salas de exposição em dois pisos. Para comemorar os 15 anos (2006-2020) de programação de arte contemporânea foi agora organizada uma exposição denominada «O Palácio», estando previsto poder ser visitada até 6 de março de 2021, foi agora suspendida, mas poderá ser reagendada para uma data futura.

«Ao reunir de forma plural obras de todos os que por este lugar deram a ver, esta coletiva torna-se numa oportunidade rara de percecionarmos transversalmente aquilo que foi a dinâmica e singularidade programática do Palácio Vila Flor no contexto das artes plásticas e visuais. A exposição estrutura-se nesse eixo arrítmico, remetendo o espaço do Palácio a uma paralaxe no tempo, onde em simultâneo passam habitar todos os tempos do Palácio num mesmo. Reunindo obras da coleção d’A Oficina, obras mais antigas e recentes selecionadas pelos artistas, O Palácio torna-se uma exposição que, rememorando, não se esgota nesse gesto, projetando-se para um novo modo de nos encontrarmos com o passado». Participam na exposição «O Palácio» obras de mais de trinta artistas portugueses, os projetos Sonoscopia, O Bergado, Salão Olímpico e as coletivas MV/C+V, Guimarães - Arte Contemporânea 2011 e Laboratório das Artes - 10 Anos.

  • 1. Nascida no Porto, em 1980, Rita GT é licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes daquela cidade, e vive e trabalha atualmente entre Portugal e Angola. Cofundadora do coletivo e.studio, em Luanda, Rita GT tem vindo a refletir sobre os temas de identidade e memória colonial, com foco em questões de género e direitos humanos, e, nas suas obras, trabalha principalmente com cerâmica, instalação, performance, vídeo e fotografia, cruzando múltiplos meios e suportes. Foi comissária do Pavilhão de Angola na Bienal de Veneza, em 2015, e, em 2017, fez parte da exposição anual da Royal Academy de Londres.
  • 2. Isabel Sabino (n. Lisboa, 1955). É formada em Artes Plásticas - Pintura (ESBAL, 1978). Professora na FBAUL tem dezenas de textos publicados. Expõe desde 1977. Seleção recente de individuais – Lido com ela (2019, G. Artur Bual, Amadora); Ela (2019, SNBA, Lisboa); Four seasons, please! (2019, G. Arte Periférica, Lisboa); E os rios nascem no mar (2015, Lugar do Desenho/Fundação Júlio Resende, Porto); A menina (não) fica em casa (2016, Museu Militar, Lisboa). Coletivas – We Are Europe (2018, Lodz Academy of Fine Arts, Poland); A possible breeze. Portuguese Modern Art (2017. Minsheng Museum of Contemporary Art, Beijing, China); Diálogos Iberos (2016, G. UFES, Vitória, Brasil); feiras c/ G. Arte Periférica: JustMad (2020, Madrid), JustLx (2019, Lisboa); ArteMadrid (2018 e 2017). Páginas internet: http://umbrapicturae.blogspot.pt; http://orcid.org/0000-0002-9514-5952
  • 3. Guilherme Parente (n. Lisboa, 1940). Estuda pintura com Roberto Araújo na SNBA, frequenta os cursos de gravura na Gravura (Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses), em Lisboa, e estuda na Slade School (Londres 1968-70) como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Faz parte do Grupo 5+1 com o escultor Virgílio Domingues e os pintores João Hogan, Júlio Pereira, Sérgio Pombo e Teresa Magalhães. Desenvolve carreira artística autónoma desde os anos 70 com dezenas de exposições no país e no estrangeiro.
  • 4. Centro Cultural Vila Flor. Av. D. Afonso Henriques, 701, 4810-431 Guimarães. Horário: terça-feira a sábado, das 10h às 13h e das 15h às 100.

Tópico