|lutas sindicais

Trabalhadores rejeitam intromissão governamental em negociações

Trabalhadores da Águas de Portugal concentraram-se junto ao Ministério das Finanças, na quinta-feira passada, para rejeitar a intromissão do Governo no processo negocial em curso.

Entre 2010 e 2016, os lucros do grupo ascenderam a cerca de 500 milhões de euros
Trabalhadores da Adp em luta (foto de arquivo)Créditos / STAL

A concentração foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL) e pela Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (FIEQUIMETAL), contando com a presença da secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha.

Além de reivindicarem o aumento de salários e a atribuição do subsídio de penosidade e risco, os promotores da concentração acusaram o Governo de se intrometer no processo negocial entre os trabalhadores e a administração da do grupo Águas de Portugal (AdP), informa a agência Lusa.

Em declarações aos jornalistas, Isabel Camarinha acusou o Governo de «atropelo à contratação colectiva», ao instruir os conselhos de administração das empresas pertencentes ao sector empresarial do Estado para aplicarem um aumento geral de 0,9% no presente ano.

«Isto não pode ser aceite pelos sindicatos», afirmou, acrescentando que 0,9% «não é uma proposta negociável» e «não garante a reposição do poder de compra dos trabalhadores», perdido para a inflação.

A líder da CGTP-IN reafirmou as propostas sindicais de revisão salarial, de aumento de 90 euros para todos os trabalhadores, de horários de trabalho, carreiras e categorias e pediu às administrações que actualizem verdadeiramente os salários e não aceitem a «imposição» do Governo.

Entretanto, pouco antes do início do protesto uma delegação do STAL e da FIEQUIMETAL reuniu-se com o secretário de Estado do Tesouro, o qual, segundo os sindicalistas, lhes confirmou a proposta dos 0,9%, mas que ressalvou que a mesma «apenas é uma base negocial».

Mário Matos, dirigente da FIEQUIMETAL, declarou aos jornalistas que o secretário de Estado afirmou, durante esse encontro, confirmou aos sindicatos a instrução dada às administrações das empresas do sector empresarial do Estado para procederem a aumentos de 0,9% em 2022, mas que essa indicação não inibiria aumentos maiores, negociados entre empresas e trabalhadores.

O sindicalista adiantou que esta semana uma reunião com a administração da AdP e não exclui «outras formas de luta», caso o desfecho não seja satisfatório para reivindicações «que são justas, nomeadamente o subsídio de penosidade e risco», lembrando que a a atribuição deste está inscrita no Orçamento do Estado de 2021 para os trabalhadores da Administração Pública, mas que os do grupo AdP não foram contemplados.

Contactada pela Lusa, fonte da AdP escusou-se a fazer comentários.

Tópico