|banco de horas

Trabalhadores do Vila Galé «chumbam» banco de horas

O grupo Vila Galé promoveu, esta terça-feira, nas suas unidades hoteleiras do Porto e Lisboa, um referendo para estabelecer um banco de horas, que foi rejeitado pelos trabalhadores.

Créditos / Sindicato de Hotelaria do Norte

Os trabalhadores votaram esmagadoramente contra a proposta de banco de horas que estava em referendo, derrotando, assim, a intenção da empresa de desregular os horários, de pôr em causa a conciliação da actividade profissional com a vida pessoal e familiar, e de embaratecer o trabalho, refere a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (Fesaht/CGTP-IN) em nota.

A proposta previa, entre outros aspectos, que a empresa pudesse recorrer ao prolongamento do horário em duas horas, mesmo sem o acordo dos trabalhadores, desde que avisasse os mesmos com oito horas de antecedência.

Com este resultado, a empresa vai ter de pagar trabalho suplementar com o acréscimo de 100%, conforme determina a contratação colectiva, sempre que queira recorrer aos trabalhadores para além do seu horário de trabalho.

Os sindicatos, que apelaram à rejeição desta proposta patronal, fiscalizaram o acto eleitoral e consideram que este resultado representa «uma grande vitória dos trabalhadores» num dos maiores grupos económicos hoteleiro, e que é «um bom exemplo a seguir».

Tópico