|Petrogal

Trabalhadores da refinaria de Sines ameaçados com despedimentos

Os trabalhadores do consórcio da manutenção da refinaria da Petrogal em Sines sentem-se ameaçados após as entidades patronais terem comunicado aos cerca de 250 trabalhadores o termo do seu contrato de trabalho.

Trabalhadores reunidos em plenário
Trabalhadores reunidos em plenárioCréditos / Site Sul

A denúncia foi feita, em comunicado, pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITE SUL/CGTP-IN).

Em causa estão cerca de 250 postos de trabalho do consórcio da manutenção da refinaria da Petrogal em Sines, detido por várias empresas como a EFATM, ATM, CMN e AC Services.

Recentemente foi comunicado aos trabalhadores o fim do seu contrato de trabalho para 12 de Fevereiro, decisão que encaram como despedimentos, pois tratam-se de «postos de trabalho permanentes e necessários todos os dias».

O SITE Sul refere que há cerca de 30 anos, a Petrogal acabou com parte do seu serviço da manutenção mecânica e eléctrica, passando este a ser assegurado por empresas «ditas de prestações de serviços» que recorrem frequentemente a trabalhadores com vínculo temporário e precário.

O sindicato considera que as empresas estão a «fugir ao cumprimento dos direitos» e às suas funções, por exemplo, ao evitar o pagamento do trabalho suplementar devido, o subsídio de refeição ou o gozo de férias. Além disso, afirma que a precariedade reflecte-se diariamente «de forma violenta contra os trabalhadores e seus direitos», como é o caso destas ameaças.

Os trabalhadores do consórcio de manutenção vão reunir-se em plenário geral à porta da refinaria da Petrogal em Sines, às 8h45 de 9 de Janeiro, para decidirem futuras formas de luta em defesa dos postos de trabalho e contra a precariedade.

Tópico