|Guimarães

Sobe o teleférico, sobem os preços. Só os direitos ficam por terra

O Teleférico de Guimarães, com gestão da Turipenha, cooperativa administrada pela Câmara Municipal de Guimarães, aceitou entrar em processo negocial com os trabalhadores depois da convocação de uma greve.

Teleférico de Guimarães 
Teleférico de Guimarães Créditos / OMinho

Às vezes é só preciso dar um empurrãozinho. O Sindicato de Hotelaria do Norte (SHN/CGTP-IN) desconvocou a greve agendada para a próxima segunda-feira, dia 28 de Fevereiro, depois da Turipenha mostrar abertura para considerar e dialogar com os trabalhadores sobre as suas muitas reivindicações.

Em causa está a necessidade de aumentar significativamente as remunerações salariais, reduzir o horário de trabalho para as 35 horas semanais e a instituição de 25 dias úteis de férias, refere o comunicado, enviado ao AbrilAbril, pelo SHN.

As queixas dos trabalhadores não ficam por aqui. Há várias críticas, da parte dos trabalhadores, sobre: o quadro de densidades, categorias profissionais e discriminação salarial, o pagamento do trabalho suplementar que ainda está em dívida, uma notória falta de pessoal e ausência de condições de segurança dignas e saúde no trabalho.

«Como manifestação de boa vontade, a direção do sindicato decidiu suspender a greve», agora que a Turipenha «está a analisar as reivindicações dos trabalhadores, manifestando-se disponível para reunir com o sindicato e encontrar soluções de consenso para o conflito».

Tópico