|ensino

Regresso às aulas presenciais «é fundamental», diz a Fenprof

Ainda não estão asseguradas as condições que minimizem o risco de contágio por Covid-19 nas escolas, considera a Fenprof, criticando a DGS por validar recomendações do Governo que vão contra o que definiu.

CréditosPaulo Novais / LUSA

«Em relação ao documento [referencial para as escolas] não há muito a dizer. Não vem dar resposta ao problema a montante […]. Continuamos sem ter asseguradas as condições que minimizem as possibilidades de Covid-19 na sala de aula», assegurou Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof/CGTP-IN) em declarações à Lusa.

Segundo a federação sindical, a decisão de encerrar uma escola ou de isolar um aluno ou qualquer outra pessoa infectada cabe à autoridade de saúde local, entidade que deveria realizar uma vistoria aos estabelecimentos de ensino antes da respectiva abertura.

Mário Nogueira sublinhou ainda que esta não é uma decisão fácil, tendo em conta que um professor infectado «já teve contacto com outros colegas e com várias turmas» e um aluno infectado «também já contactou com outros alunos e com a família».

Neste sentido, Mário Nogueira acusou ainda a DGS de «incoerência» ao validar normas do Executivo que vão contra as suas próprias directrizes.

«Continuamos a recomendar o distanciamento de metro e meio a dois metros, mas o Ministério da Educação diz que o distanciamento é o que for possível», exemplificou.

Por outro lado, a DGS recomenda turmas com uma dimensão reduzida, «mas continua a validar a orientação do Ministério com dimensões normais de 28 a 30 alunos», acrescentou.

Apesar de a DGS ter ressalvado que o referencial está ainda em aberto a novos contributos, a Fenprof enviou já oito pedidos de reunião com esta entidade, que não tiveram resposta.

Mário Nogueira ressalvou, no entanto, que o regresso às aulas presenciais «é fundamental», notando que recorrer novamente ao ensino à distância «pode ser catastrófico».


Com agência Lusa

Tópico