Refinaria de Sines: trabalhadores conseguem compromisso da empresa

Os trabalhadores das empresas do consórcio que assegura a manutenção da refinaria de Sines da Petrogal suspenderam a greve pela cedência da empresa em discutir aumentos salariais. Voltam a marcar greve caso não se concretize.

Trabalhadores da refinaria de Sines reunidos em plenário
Trabalhadores da refinaria de Sines reunidos em plenárioCréditosSITE-Sul

Em plenário realizado junto à porta da refinaria de Sines, os trabalhadores decidiram a suspensão da greve marcada para hoje, tendo em conta o compromisso da empresa em dar uma resposta às reivindicações apresentadas, em particular os aumentos salariais, no dia 12 de Outubro. Se tal não acontecer, os trabalhadores farão greve no dia 13 de Outubro.

Os trabalhadores não entendem que as empresas ainda não tenham apresentado uma proposta de aumento salarial para 2016, no seguimento das reuniões realizadas sobre o caderno reivindicativo deste ano.

Apesar de o consórcio ter actualizado os salários de alguns trabalhadores, a grande maioria manteve inalterado o valor salarial nos últimos sete anos.

Mesmo admitindo que o consórcio liderado pela EFATM/ATM deu respostas positivas ao caderno reivindicativo, os trabalhadores exigem respostas à actualização dos salários de todos os trabalhadores em 2016, com retroactivos. Os trabalhadores decidiram ainda apresentar desde logo o caderno reivindicativo para 2017.

A Comissão Sindical e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITE-Sul) estão mandatados para discutirem com o consórcio os aumentos salariais.