|Infraestruturas de Portugal (IP)

Greve contra «aumento zero» na IP

A paralisação na empresa pública que gere as infraestruturas ferroviárias e rodoviárias pretendeu denunciar o incumprimento dos aumentos salariais assumidos na negociação há um ano.

A população não aceita a supressão dos dois horários
A população não aceita a supressão dos dois horários Créditos / Pixabay

Os trabalhadores das Infraestruturas de Portugal/Grupo IP estiveram em greve nesta sexta-feira para exigir o cumprimento, pela administração, do compromisso de valorização dos salários dos trabalhadores que ficaram sem aumentos em 2019.

A administração e o Governo «tiveram tempo suficiente para evitar o conflito que os próprios iniciaram na empresa», afirma o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF/CGTP-IN), num comunicado aos trabalhadores.

Num primeiro balanço da greve, o SNTSF sublinha a adesão nos centros de trabalho e estações e as «perturbações visíveis com atrasos e supressões na parte ferroviária um pouco por todo o País, com a adesão total na Linha do Oeste».

No fecho da negociação com o sindicato, no ano passado, a IP comprometeu-se a valorizar, este ano, os salários dos trabalhadores que não tiveram aumentos, mas até agora não cumpriu o assumido.

A Infraestruturas de Portugal é, desde Junho de 2015, a empresa pública que resulta da fusão entre a Rede Ferroviária Nacional (REFER), e a Estradas de Portugal (EP).

Tópico