|greve

FRULACT tenta impingir contrato colectivo da UGT aos trabalhadores

Os cerca de 120 trabalhadores da unidade da FRULACT, empresa da indústria alimentar, no Tortosendo, Covilhã, vão exigir, na greve de 9 de Junho, «aumentos salariais que acompanhem o aumento do custo de vida».

A FRULACT, grupo empresarial, estabelecido em 1987, das indústrias alimentares e de bebidas, tem unidades de produção na Europa (Portugal e França), na América do Norte (Canadá), e em África (Marrocos e África do Sul). A empresa foi comprada, recentemente, pela Ardian, um fundo de investimento privado. 
A FRULACT, grupo empresarial, estabelecido em 1987, das indústrias alimentares e de bebidas, tem unidades de produção na Europa (Portugal e França), na América do Norte (Canadá), e em África (Marrocos e África do Sul). A empresa foi comprada, recentemente, pela Ardian, um fundo de investimento privado. Créditos / FRULACT

À primeira vista, a FRULACT, empresa portuguesa especializada na produção de ingredientes à base de frutas, não se distingue da realidade empresarial portuguesa, habituada a recorrer a salários de miséria e, enquanto pode, a ignorar os cadernos reivindicativos apresentados pelos trabalhadores. «A administração não aceita, sequer, reunir com o sindicato, demonstrando uma clara aversão à liberdade sindical dos seus trabalhadores».

Esse é, aliás, o primeiro dos motivos que leva, no dia 9 de Junho, os 120 funcionários da unidade no Tortosendo, na Covilhã, a promover uma greve, explica o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB/CGTP-IN), em comunicado enviado ao AbrilAbril.

Mas ocorre uma situação ainda mais grave na FRULACT: «a empresa está a aplicar, de forma arbitrária, um contrato colectivo negociado com o sindicato da UGT». Acontece que estes trabalhadores «estão organizados na CGTP» e rejeitam um contrato colectivo que representa «menos direitos» laborais, para além de aplicado «de forma ilegal».

O sindicato e os trabalhadores exigem a aplicação dos instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho (IRCT), substituíndo um acordo feito entre o patronato e a UGT, com o qual não têm qualquer relação. Os cerca de 120 trabalhadores exigem, igualmente, aumentos salariais que acompanhem o recente aumento do custo de vida, «bem como um subsídio de turno para corresponder à penosidade acrescida do trabalho noturno e em turnos rotativos».

O piquete de greve está agendado para as 8h da manhã na unidade do Tortosendo da FRULACT, prevendo, o SINTAB, uma adesão massiva à acção de luta. A empresa, fundada em Portugal nos anos 80, foi recentemente vendida à ARDIAN, um megafundo francês que detém também participações na ASCENDI e na BRISA.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui