|plataformas

Estafetas exigem direitos aos patrões «digitais»

Os trabalhadores das plataformas digitais Uber Eats, Glovo e outras realizaram, esta quinta-feira, uma concentração no Porto, com o objectivo de denunciar um conjunto de irregularidades no sector.

Créditos / STRUN

Durante a acção de protesto junto à sede da Uber, no Porto, foi aprovada uma resolução a entregar à empresa, onde os trabalhadores defendem o fim da precariedade e uma mais justa retribuição.

Os estafetas ao serviço das empresas Uber Eats e Glovo denunciaram a exploração levada a cabo por estas plataformas digitais e a ausência de protecção e segurança no trabalho, exigindo o aumento «imediato» das percentagens da prestação de serviço, «de modo que o rendimento dos trabalhadores cresça». 

Reivindicaram ainda que sejam as plataformas a assegurar os custos de manutenção dos meios utilizados para as entregas ao domicílio, bem como os seguros de trabalho, «assumindo a responsabilidade por quaisquer acidentes de trabalho», como o que aconteceu em Lisboa e vitimou mortalmente um trabalhador, no dia 17 de Abril.

Os trabalhadores contestam o poder unilateral destas plataformas para aplicar penalizações ou bloqueios, e pedem que sejam encontradas formas de evitar que os estafetas sejam prejudicados por «burlas». 

Considerados «descartáveis», os trabalhadores queixam-se da exploração a que estão sujeitos por ficarem sem receber se, por alguma razão, não puderem trabalhar.

Num dia de semana, um estafeta tem de trabalhar em média de oito a 12 horas para fazer cerca de 30 a 40 euros, sendo que com este valor ainda tem de cobrir os custos da manutenção do equipamento. Ao fim-de-semana, os valores aumentam para os 70 euros, mas o número de horas ao serviço pode chegar às 16/18 horas.

A trabalhar para a Uber Eats e a Glovo há cerca de um ano, José Pedro Faya explicou ao AbrilAbril que em causa está uma comunidade com milhares de trabalhadores que, muitas vezes, «trabalham o dia todo para não receber nada ou muito pouco» e que não têm direitos, sendo muitas vezes despedidos sem justa causa. 

«Os trabalhadores vão ganhando mais consciência porque as coisas têm piorado», afirmou, acrescentando que, com a abertura dos restaurantes, a situação tornou-se uma bomba-relógio. Muitos trabalhadores que «encheram» as plataformas durante o confinamento agora estão a ser prejudicados com a redução do fluxo de trabalho. 

«Temos que pagar os meios: mota, seguro, manutenção e nem chega a compensar», apontou o estafeta, sublinhando que, quando há lucro, a empresa se apropria mas, quando há prejuízo, é o trabalhador que paga.

«As empresas transferem para nós os riscos associados a este tipo de negócios multimilionários. Se o negócio vai mal ou há pouca demanda, somos nós que ficamos nas ruas a gastar o nosso tempo, o nosso dinheiro e arriscando a nossa própria segurança», denunciou. 

O protesto pretende alertar para esta realidade, explicou, mas também preparar futuras acções de luta para denunciar as condições de trabalho precárias dos estafetas. 

Solidário com os trabalhadores, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN/CGTP-IN), José Manuel Fernandes, disse que a estrutura vai continuar a acompanhar este sector, sublinhando, contudo, que é necessária uma intervenção do Governo para que sejam garantidos os direitos laborais.

«Estes trabalhadores não têm fundo de desemprego, não podem estar doentes, não podem dar apoio à família, não têm direito parentais, não têm nada», disse.

Tópico