|cultura

É urgente um verdadeiro Serviço Público de Cultura

O Manifesto em Defesa da Cultura quer a mobilização imediata de fundos do OE para garantir «rendimento suficiente» a todos os trabalhadores da Cultura, «sem condições, excepções ou contrapartidas».

Créditos / Manifesto em Defesa da Cultura

A exigência, a par de outras, é dada a conhecer através de um comunicado divulgado este sábado pelo grupo nacional de coordenação do Manifesto em Defesa da Cultura.

Além de apoios financeiros imediatos aos trabalhadores, no documento pede-se a mobilização de fundos do Orçamento para garantir a sobrevivência das estruturas artísticas que viram recusados apoios nos últimos concursos quadrienais e bienais.

Lembrando a exigência antiga de se estabelecer desde já o patamar mínimo de 1% do Orçamento do Estado (OE) para a Cultura e o objectivo de alcançar, numa década, 1% do PIB, os activistas recusam «o regresso da austeridade sob nova retórica».

Um verdadeiro Serviço Público de Cultura é necessário para acudir à «emergência» que a Cultura já vivia «há décadas», fruto de uma política cultural de «destruição do interesse público», de favorecimento da «mercantilização e mercadorização da Cultura» e de «redução drástica do investimento do Estado».

Tópico