|CESP

Associação Comercial de Aveiro quer reduzir pagamento do trabalho nocturno

A denúncia é avançada pelo CESP, que alerta para a tentativa exercida pela associação patronal de passar a pagar o trabalho nocturno a partir das 22h, em vez das 20h, como actualmente acontece.

Créditos / NCultura

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP/CGTP-IN) revela numa nota à imprensa que, depois de várias reuniões com a Associação Comercial de Aveiro (ACA), quer no âmbito da negociação, quer em sede de conciliação no Ministério do Trabalho, a associação patronal «continuou a insistir» na retirada do pagamento do trabalho nocturno aos trabalhadores.

O CESP explica que, não obstante a sua proposta, que contemplava aspectos como o salário mínimo de 650 euros «com aumentos para todos os níveis», 25 dias de férias para todos os trabalhadores e a redução do período normal de trabalho em uma hora (das 40h para as 39h), a ACA apresentou uma contraproposta «inaceitável».

Em causa está a redução do pagamento do trabalho nocturno. Para se perceber o impacto, o CESP deixa um exemplo: alguém que trabalhe todos os dias pelo menos uma hora para além das 20h, «deixaria de receber o acréscimo de 25%» a que tem direito actualmente. 

«Um trabalhador que ganhe quatro euros em cada hora, perderia no final do mês cerca de 22 euros», ilustra o sindicato, que esta segunda-feira fará uma jornada de contacto com os trabalhadores do comércio retalhista no concelho de Aveiro.

«O que a ACA quer é que os trabalhadores passem apenas a receber o pagamento de trabalho nocturno a partir das 22h, não percebendo ou fingindo que não percebe que isto é um direito dos trabalhadores porque o trabalho prestado em período nocturno é mais penoso», denuncia.

Tópico