|Dia do Trabalhador

1.º de Maio: agir, denunciar, lutar

A CGTP-IN assinala hoje o 1.º de Maio em todo o País para, no quadro das regras de segurança exigidas pelo combate ao surto epidémico, dar voz à indignação e às reivindicações dos trabalhadores.

Lisboa
LisboaCréditosAna Carolina

O Dia do Trabalhador será assinalado com acções que decorrerão esta tarde em mais de duas dezenas de cidades, nomeadamente em Lisboa (Alameda Afonso Henriques) e no Porto (Avenida dos Aliados).

Segundo Ana Pires, da Comissão Executiva da central sindical, a CGTP-IN tem a obrigação de, neste 1º de Maio, denunciar as dificuldades e os «atropelos aos direitos laborais» com que os trabalhadores estão confrontados, nomeadamente um conjunto de medidas promovidas pelo Governo que são «desequilibradas e favorecem as grandes empresas, quando estas deviam ser chamadas a dar um contributo neste momento de dificuldade para manter os postos de trabalho e os salários».

É a denúncia desta realidade que a CGTP-IN leva hoje à rua, no quadro de um conjunto de iniciativas que, face às limitações impostas pela situação que vivemos, não terá a participação de outros anos. No entanto, os «trabalhadores e os dirigentes sindicais que vão estar na rua serão a voz de milhões de trabalhadores que exigem mais inspecção e fiscalização dos abusos e a reversão dos despedimentos», refere ainda Ana Pires, lembrando que a retoma económica, como ficou provado nos últimos anos, só será possível através da valorização dos salários dos trabalhadores.

Tópico