|mobilidade

Comunistas apresentaram medidas «de emergência» para responder às carências no sector

PCP reclama urgência no investimento nos transportes

«A situação a que se chegou reclama um programa de emergência» para o investimento no sistema e empresas públicas de transportes, afirmou o dirigente comunista Vasco Cardoso, em conferência de imprensa.

Canal onde, até 2010, os comboios do ramal da Lousã circulavam sobre carris. Miranda do Corvo, Novembro de 2014
Canal onde, até 2010, os comboios do ramal da Lousã circulavam sobre carris. Miranda do Corvo, Novembro de 2014CréditosPaulo Novais / Agência LUSA

A degradação do sistema público de transportes, particularmente durante «o último governo do PSD/CDS», exige um programa de investimento público, considera o PCP. Vasco Cardoso fez ontem, em conferência de imprensa, uma caracterização exaustiva da situação vivida no sistema de transportes nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

Na região da capital, há falta de 30 maquinistas e «mais de 20 composições paralisadas à espera de manutenção» no Metro; a oferta da Carris ainda não foi reposta nos níveis anteriores a 2011 e «os novos autocarros que foram anunciados são afinal para substituir os que estão a passar o limite de idade»; nos transportes fluviais, a «falta de manutenção» e os «certificados de navegabilidade caducados ou prestes a caducar» têm provocado a «supressão de centenas de carreiras» e «uma oferta claramente inferior» aos níveis anteriores a 2011.

Na Área Metropolitana do Porto, os comunistas apontam para uma situação idêntica: falta de manutenção e de motoristas na STCP e o adiamento do investimento na expansão do Metro do Porto para depois de 2019, deixando de fora «a Universidade do Porto no Campo Alegre, Matosinhos Sul e a ligação até às Devesas, em Vila Nova de Gaia».

A situação no sector ferroviário foi também criticada, com a Linha de Cascais «à beira do colapso», a manutenção «em risco de ser liquidada» e as reivindicações pela reabertura de linhas sem resposta, como é o caso da ligação entre Leixões e Ermesinde e a decisão de, ao contrário do que foi aprovado no Parlamento, introduzir «uma estrutura de autocarros eléctricos», em vez de repor os carris arrancados no ramal da Lousã.

À realidade descrita nos centros urbanos, o dririgente do PCP acrescentou que «grande parte do território nacional está hoje desprovido de uma verdadeira rede de transportes públicos. Existem milhares de aldeias em todo o País onde passará um autocarro por dia, ou nem isso».

Na origem destas carências, afirmou Vasco Cardoso, está «a política de terra queimada» do anterior governo e «o Governo minoritário do PS enredado nos seus compromissos com o grande capital». O PCP defende que a resolução dos problemas do sector exige investimento, e isso implica uma ruptura com a «submissão aos critério impostos pela União Europeia» em matéria orçamental.

Carências exigem medidas «de emergência»

Os comunistas apresentaram um «programa de emergência para investimento nos transportes públicos», com o objectivo de garantir «condições de funcionamento eficaz e um sistema de transportes públicos nacional, um passe social intermodal alargado e acessível nas áreas metropolitanas».

O PCP quer «uma urgente mobilização de recursos ainda este ano» para responder às carências no Metro de Lisboa, na Carris, na Transtejo, na Soflusa, na CP e na STCP, nomeadamente de falta de pessoal e nos serviços de manutenção. Vasco Cardoso afirmou ainda que o programa apresentado deve assegurar «a redução dos custos para os utentes», elencando «o desagravamento dos tarifários, a reposição dos direitos retirados a estudantes, crianças e menores de idade, e à população idosa», assim como «o alargamento do passe intermodal a mais serviços e operadoras».

Os comunistas querem ainda «um ambicioso projecto de investimentos plurianual» no sector, com o fim das parcerias público-privado e a «modernização, aquisição e montagem de autocarros, material circulante e navios, e o alargamento das linhas de metropolitano, a renovação das estações, cais de embarque e gares».

Tópico