|direitos das crianças

Governo tem de avaliar como implementar a sesta no pré-escolar

Entrou em vigor a recomendação que determina que se avalie como introduzir a sesta das crianças nos estabelecimentos de ensino pré-escolares.

Créditos / Governo do Estado de São Paulo, Brasil

A recomendação, que partiu do PCP, foi aprovada em Julho na Assembleia da República (tendo tido apenas votos contra por parte do PS) e foi publicada, esta quinta-feira, em Diário da República.

A questão vai ao encontro da preocupação da comunidade educativa, em particular dos pais, uma vez que a maioria dos jardins de infância públicos não prevê a realização de sestas.

No texto pode ler-se que a medida está ligada à «importância do sono no desenvolvimento das crianças». No quadro do estudo a realizar, os deputados recomendam «a articulação da implementação da sesta com as orientações curriculares para a educação pré-escolar e a organização dos horários e tempo lectivo e não lectivo dos educadores», assim como a consideração das «condições materiais e humanas que são necessárias garantir para um período de sono com qualidade».

Tal iniciativa deve ser implementada promovendo-se um debate público sobre a matéria, o qual deve envolver «a comunidade educativa e profissionais nas áreas da educação, pedagogia, saúde e ciências sociais, [assim como] as organizações representativas dos trabalhadores e os pais».

As vantagens da sesta na creche e no pré-escolar estão bem diagnosticadas, seja pela Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), seja por vários estudos realizados. Apesar de em Portugal não ser praticada, sobretudo nos estabelecimentos públicos, a evidência científica relaciona a falta da sesta a prejuízos para as crianças em idade pré-escolar, tanto no que se refere aos seus níveis de cansaço, como no que diz respeito às condições para o desenvolvimento das suas capacidades cognitivas e de aprendizagem.

De acordo com a SPP, a falta de sesta é tão grave nas crianças como não comer. Os pediatras afirmam que «a sesta tem sido referida como recurso valioso para a consolidação da memória» na idade pré-escolar, adiantando que a privação do sono na criança «está associada a efeitos negativos a curto e a longo prazo em diversos domínios, tais como o desempenho cognitivo e aprendizagem, a regulação emocional e do comportamento, o risco de quedas acidentais, de obesidade e hipertensão arterial».

Aquando da aprovação do diploma que agora se encontra em vigor, foi igualmente discutido um projecto do PAN, no qual também se cita o parecer da SPP nesta matéria, mas que acabou chumbado. Para tal terão pesado aspectos vertidos no diploma como a imposição da sesta a todas as crianças ou responsabilizar as educadoras de infância pela promoção da sesta.

Tópico