|OE2021

Falta Orçamento para a dimensão dos problemas

A proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2021 parece não dar resposta aos problemas estruturais do País, nomeadamente às situações decorrentes dos impactos económicos e sociais do surto epidémico.

CréditosTiago Petinga / Agência LUSA

Após a entrega na Assembleia da República, a proposta de OE fica agora a aguardar pela votação na generalidade, no próximo dia 28, mantendo-se a expectativa quanto à decisão dos principais partidos.

O PSD anunciará a sua decisão nas jornadas parlamentares que vai realizar na próxima semana, enquanto os partidos à sua direita (salvo o CH) já assumiram o voto contra.

À esquerda do PS também ainda não se vislumbram sentidos de voto. O BE ensaiou nova dramatização, embora sem sinalizar a sua opção de voto. Por seu lado, o PCP confirma as suas preocupações quanto à evolução futura do País, não só em função da proposta de OE, mas da conjugação deste com outras decisões do Governo, designadamente no que respeita a salários, legislação laboral e investimento público.

Os comunistas não revelaram para já o sentido de voto, apesar de terem visto contemplado no OE algumas das suas propostas, ainda que de forma parcial, designadamente o aumento extraordinário de pensões, a extensão da gratuitidade das creches ou o reforço da contratação de trabalhadores para as escolas e para o Serviço Nacional de Saúde (SNS). 

Tópico